Notícias

Frente Brasil Popular faz ato por diretas já

30 de maio de 2017

A Frente Brasil Popular, formada por movimentos sociais e políticos e apoiada pelas centrais sindicais, realizou nesta segunda-feira (29) um ato no teatro Tuca, na PUC-SP, por eleições diretas e para o lançamento do Plano Popular de Emergência, um documento com dez pontos que apresenta uma proposta política e econômica para o país.

O ato reforçou a unidade entre os movimentos progressistas e democráticos que, mesmo possuindo divergências, vêm se fortalecendo e ampliando sua luta por direitos e contra o avanço neoliberal, privatizante e antitrabalhista que tenta se impor com força pela via legislativa e do executivo.

“O plano propõe caminhos para o desenvolvimento econômico com distribuição de renda, que é uma luta importante e central do movimento sindical”, afirmou Adilson Araújo. Do ponto de vista econômico, a proposta visa implementar um projeto nacional de desenvolvimento que fortaleça a economia nacional e o desenvolvimento com valorização do salário mínimo.

E assim, “enfrentar a desigualdade de renda, de fortuna e de patrimônio como veios fundamentais para a reconstrução da economia brasileira, para a recomposição do mercado interno de massas, da indústria nacional, da saúde financeira do Estado e da soberania nacional, um modelo social baseado no bem-estar e na democracia”, aponta o documento.

Democracia, Diretas Já e Greve Geral
O plano emergencial traz algumas questões centrais, como a antecipação das eleições para presidente; a democratização da mídia, uma reforma política; taxação para grandes fortunas e a constitucionalização da renda mínima. O documento está aberto a receber propostas das entidades participantes.

“A saída democrática que propomos tem como pressuposto a antecipação das eleições presidenciais para 2017. Esse é primeiro passo para se travar uma ampla e persistente disputa política capaz de criar uma correlação de forças favorável a oportuna convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte, destinada a refundar o Estado de direito e estabelecer reformas estruturais democráticas”, destaca o texto.

E uma nova greve geral começa a ser organizada pelas centrais sindicais. A decisão foi tomada em conjunto na manhã desta segunda-feira, em reunião na sede da CTB. O comunicado foi feito por Vagner Freitas, da CUT, durante o ato no Tuca. Será na última semana de junho, dia ainda não definido.

Estavam presentes no evento o ex-prefeito Fernando Haddad (PT-SP), o ex-ministro e ex-presidente do PSB, Roberto Amaral, o presidente da CTB, Adilson Araújo, a presidenta da UNE, Carina Vitral, o presidente da CUT, Vagner Freitas, a jornalista Laura Capiglione, o presidente do MST, João Pedro Stédile, o coordenador da Central de Movimentos Populares (CMP), Raimundo Bonfim, entre outras lideranças.

Fonte: Portal CTB

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha