Notícias

A Conae sob ataque é um elogio

23 de fevereiro de 2024

Entre os dias 28 e 30 de janeiro deste 2024, em Brasília-DF, ocorreu a Conferência Nacional de Educação (Conae 2024). Tratava-se da etapa nacional de um debate que ocorreu, inicialmente, em mais de 4 mil municípios brasileiros e nos estados da federação, etapas preparatórias para a nacional.

A Contee (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino) esteve presente e representada por membros das suas diretorias Plena e Executiva, assim como por entidades de base a ela filiadas. Todos passaram pelas etapas preparatórias, sendo eleitos, o que mostra a força e representatividade da nossa entidade nacional e das nossas entidades de base.

Democrática, a Conae deu voz e vez, em todas as etapas, a pessoas ligadas à educação – professores, pesquisadores, estudantes, movimentos sociais, representações de governos, patrões e trabalhadores. Plural, garantiu protagonismo a vozes que comumente sofrem silenciamento ou a sua tentativa: representantes dos povos originários, dos movimentos negros, LGBTQIAPN+, das juventudes, pessoas com deficiência.

Antes, durante e depois da confederação assistimos a ataques e críticas ao que estava posto como elemento de debate: direito à educação de qualidade, inclusiva, promotora da cidadania em seu sentido pleno, atenta às demandas mais profundas de uma sociedade historicamente desigual e autoritária. Ataques vindos de representantes da extrema-direita, de movimentos pós  ou protofascistas, daqueles que se insurgem contra o mundo real e diverso, pensando-o como algo monolítico e imutável.

Paradoxalmente, porém, a Conae sob ataque revela exatamente a grandeza e a importância da Conferência. Sim, aqueles que buscam atacar a Conferência e seus participantes fazem-nos, antes de tudo, um imenso elogio obsequioso, ao perceberem que nos situamos noutro campo de compreensão da sociedade e do mundo.

Num Brasil afetado pelo reacionarismo e pelo golpismo, que deram voz e vez a pessoas e grupos interessados em ter no Estado e em seus poderes os instrumentos não de desenvolvimento social, mas, pelo contrário, de controle sobre a sociedade, não é estranho que haja ataques a uma expressão de democracia, republicanismo e pluralidade como foi a Conae 2024, havida após seis anos sem que os governos golpistas e antidemocráticos a promovessem, rompendo regra legal. Isso diz muito!

A Conae é expressão da democracia, algo que se tentou, mais uma vez, silenciar no Brasil; é expressão do republicanismo e do pluralismo de ideias – desde que estas ideias não se valham dos instrumentos da democracia justamente para atacá-la e destruí-la -, permitindo a amplos espectros sociais vivenciarem suas experiências; está assentada na Constituição Federal e em seus princípios, sendo expressão da consagrada vontade da sociedade no direcionamento das políticas públicas que, em última análise, devem servir justamente à sociedade.

Agora, nos cabe lutar para garantir no Poder Executivo e no Congresso Nacional que a vontade da Conferência seja respeitada, aprovando a Lei do Plano Nacional de Educação para o decênio 2024-2034. A Contee será parte desta luta, buscando, além de outras pautas, a regulamentação da educação privada, uma necessidade urgente e inadiável, para garantir que o setor respeite as legislações, incluindo a trabalhista, e atenda aos interesses públicos da educação nacional.

Diretoria Executiva da Contee

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha