Notícias

A Copa de 2014 e a luta pelo desenvolvimento no Brasil

14 de janeiro de 2014

Carlos Rogério de Carvalho Nunes – Secretário de Políticas Sociais, Esporte e Lazer da CTB

O Brasil sediará a Copa do Mundo de Futebol em 2014. Esse importante  evento esportivo movimenta muitas cifras financeiras, é evidente que traz consigo grandes investimentos capitalistas. Esse evento mexe também com os interesses dos trabalhadores.

Os números envolvidos na Copa desse ano impressionam. São R$ 28,1 em estádios de futebol, obras de mobilidade urbana, aeroportos, portos, telecomunicações, segurança e turismo. Esse valor está sendo dividido entre municípios, estados, União e empresas privadas. Além disso, esse investimento tem retorno garantido. O montante que entrará em circulação na economia brasileira será de R$ 142 bilhões, antes durante e depois da Copa de 2014. Estima-se que a Copa no Brasil gere 3,6 milhões de empregos diretos e indiretos. Os números de empregos gerados dizem tudo sobre a importância da realização da Copa para os trabalhadores. Sua realização é do interesse dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil.

 Os mega eventos sempre ocorreram no Brasil, e no mundo. São eventos de todos os matizes possíveis: esportivos, culturais e eclesiásticos. Todos esses mega eventos, sem exceção tornaram-se empreendimentos empresariais. Contribuem de forma direta num importante captador de divisas de qualquer país.

 O Brasil ao sediar um evento esportivo de grande magnitude produz um ganho enorme para a sociedade. São obras nas áreas de infraestrutura e de mobilidade urbana que ficam para sempre. É o legado, o que fica após a realização de um grande evento que envolve grandes obras. E esse legado é de interesse para a classe trabalhadora. Além da geração de empregos diretos, antes e durante a Copa, o legado é apropriado pela sociedade e pelos trabalhadores.

 No Brasil os setores conservadores, a elite econômica e política, os proprietários dos grandes meios de comunicação privados e a direita ideológica rancorosa se posicionam contra a realização da Copa 2014 no Brasil. Estranho. Em nenhum outro país do mundo ocorre esse tipo de aversão a um evento dessa dimensão. Mas aqui no Brasil vemos o inverso.

 Para aqueles setores atrasados o Brasil não deve figurar como uma nação capaz de realizar grandes eventos. Os mesmos argumentos de desqualificar os avanços sociais no país, como as políticas sociais inclusivas (saúde, educação, benefícios sociais) eles usam agora para orquestrarem uma campanha contra a Copa no Brasil. A posição contrária à realização da Copa 2014 no Brasil é da mesma origem ideológica que não quer um Brasil justo para os brasileiros.

 Defendemos a realização da Copa 2014, assim como seu êxito em todos os sentidos: a conquista do título pela seleção brasileira e o espetáculo em si. A realização da Copa faz parte do projeto de desenvolvimento com valorização do trabalho e da pauta atual da classe trabalhadora.

 O sucesso da realização da Copa anda junto com a defesa do projeto nacional para o Brasil. A luta pelo desenvolvimento do Brasil não é dissociada à defesa da realização do maior evento futebolístico do mundo em nosso país.

Fonte: Portal Vermelho

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha