Notícias

A democracia na mira da oposição

4 de abril de 2016

O ano de 2016 começou em meio a fortes disputas. Está em curso um golpe contra a Democracia, que orquestrado por setores conservadores, propõe a volta ao passado e ameaça conquistas históricas da classe trabalhadora. Esse golpe ataca nossos direitos duramente conquistados e barra a continuidade das mudanças.

O bloco de oposição ao Brasil, respaldado pela mídia golpista e por setores do empresariado, com destaque para a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), não se conforma com a derrota em 2014 e opera com uma toada só: quanto pior, melhor.

Sob o falso discurso do combate à corrupção, os protagonistas do golpe à Democracia – Michel Temer, Eduardo Cunha, Geraldo Alckmin, Aécio Neves, José Serra, Gilmar Mendes e Sergio Moro -, blindados pela mídia hegemônica, protagonizam o maior ataque da história do nosso país contra os trabalhadores. Na mira da oposição está a destruição da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), o fim da valorização do salário mínimo e a terceirização sem limites.

É preciso alertar aos brasileiros que, ao contrário do que pregam os autores do golpe, o impeachment – se consumado – não vai tirar o Brasil da crise econômica e sim aprofundá-la, pois a instabilidade de um governo provisório, ameaçado por uma decisão do Senado, que pode ser contrária, e, sobretudo, pelas denúncias da operação Lava Jato contra figuras como Eduardo Cunha e Aécio Neves, podem minar as aspirações golpistas.

Estamos diante de uma luta estratégica, na qual deverá prevalecer a forças das ideias, o fortalecimento das mobilizações e alegria em defesa da Democracia que testemunhamos nos últimos dias 18 e 31 de Março. É hora de lutar.

De forma enérgica, as forças democráticas devem se unir e se levantar para defender as instituições da República, a Constituição Federal e do Estado Democrático de Direito. Não podemos vacilar. A luta política e de ideias, deve se dar nas ruas e nas redes, denunciando o golpe e esclarecendo a nossa população sobre o real caráter da ofensiva golpista contra a Democracia, o mandato legítimo da presidenta Dilma Rousseff e, sobretudo, os direitos da classe trabalhadora do nosso país.

Adilson Araújo, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB)

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha