Notícias

A execução de Marielle Franco escancara a farsa da intervenção no Rio

15 de março de 2018

Por Kiko Nogueira

Nove tiros assinalam o fracasso da intervenção militar no Rio de Janeiro. Eles alvejaram a vereadora Marielle Franco, do Psol, assassinada no bairro do Estácio. Aconteceu por volta das 21h30 na Rua Joaquim Palhares. O motorista que estava com ela também foi morto. A assessora sobreviveu. Nada foi roubado. A Delegacia de Homicídios afirma que a principal linha de investigação é execução. Marielle havia acabado de sair de um evento chamado “Jovens Negras Movendo as Estruturas”, na Rua dos Inválidos, na Lapa, e seguia para sua casa na Tijuca. Um dia antes, ela postou nas redes sociais um libelo curto:

“Mais um homicídio de um jovem que pode estar entrando para a conta da PM. Matheus Melo estava saindo da igreja. Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?”

Marielle era relatora da comissão que acompanha a intervenção no Rio.

No último dia 11, denunciou a violência policial na Favela de Acari.

“Precisamos gritar para que todos saibam o que está acontecendo em Acari nesse momento. O 41° Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro está aterrorizando e violentando moradores de Acari. Nessa semana dois jovens foram mortos e jogados em um valão. Hoje a polícia andou pelas ruas ameaçando os moradores. Acontece desde sempre e com a intervenção ficou ainda pior”, escreveu.

Marielle se apresentava como “cria da Maré” e foi a quinta vereadora mais votada em 2016, com 46 502 votos. Socióloga formada pela PUC-Rio e mestra em Administração Pública pela Universidade Federal Fluminense, teve dissertação de mestrado com o tema “UPP: a redução da favela a três letras”. Torna-se agora, morta, símbolo de uma guerra antiga e sem fim, maquiada por um governo corrupto e incompetente com tanques e soldados investindo sobre os suspeitos de sempre.

Segurança pública? Onde? Para quem?

“Quem cala sobre teu corpo consente na tua morte”, cantava Milton Nascimento.

Agora, mais do que nunca, é hora de não se calar.

Diário do Centro do Mundo

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha