Notícias

A luta dos sindicatos na atualidade: entrevista com Valéria Morato

Valéria Morato

Por Railídia Carvalho

Portal CTB

A sindicalista Valéria Morato explicou ao Portal CTB que as ações do Sindicato dos Professores de Minas Gerais (Sinpro) vão se adequando a cada nova ofensiva do Governo Federal. “O governo aproveita a pandemia para fragilizar ainda mais as relações de trabalho”, concluiu Valéria, que é presidenta do Sinpro-MG e presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras no Estado. Ela é a nova entrevistada da série CTB Entrevista em que lideranças da Central compartilham as ações realizadas pelos sindicatos nos diversos estados do país para preservar vidas e evitar perdas de direitos dos trabalhadores e trabalhadoras.

Valéria Peres Morato Gonçalves é pedagoga com atuação há mais de três décadas na educação básica nas redes pública e privada. Iniciou a participação no movimento sindical nos anos 90 na cidade de Divinópolis (MG). É membro do Fórum Estadual de Educação de Minas Gerais e também do Fórum Municipal de Belo Horizonte. É dirigente do Sinpro Minas desde 1997 e em 2016 foi eleita para a presidência da entidade. Foi a primeira mulher a assumir a presidência da CTB em Minas. Foi secretária-adjunta de educação em Divinópolis. Atualmente também faz parte da diretoria da Federação Interestadual dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Fitee).

Confira a entrevista na íntegra:

Portal CTB: Como você avalia as Medidas Emergenciais para o enfrentamento do coronavírus (Covid-29), manutenção do Emprego e da Renda anunciadas pelo governo Bolsonaro até agora?

Valéria Morato: Foram medidas que sacrificam os trabalhadores que conseguirem manter seu emprego. Perdas salariais e de representatividade. O governo aproveita a pandemia para fragilizar ainda mais as relações de trabalho.

Portal CTB: Quais os impactos da crise na sua categoria? Houve paralisação parcial ou total das atividades? Se não houve interrupção total, quais as medidas que estão sendo adotadas para preservar a vida, a saúde e a segurança dos trabalhadores?

Valéria Morato:O Sinpro Minas conseguiu uma liminar para a suspensão das atividades nas escolas privadas por tempo indeterminado sem prejuízo dos salários. Entretanto, as atividades letivas estão sendo executadas por meio remoto o que tem gerado um alto grau de estresse e insatisfação dos professores que estão trabalhando uma carga horária muito maior do que trabalham normalmente e não têm a certeza de que essa carga horária será contada como aulas dadas.

Portal CTB: O que está sendo feito para garantir emprego e salários? Como o Sindicato está atuando para garantir a negociação coletiva diante da pressão das empresas pelo acordo individual? Quantas demissões ocorreram na sua base até o momento?

Valéria Morato: A liminar conseguida pelo Sinpro MG ampara os professores no sentido de garantir a remuneração e também ampara as negociações entre as partes da ação, ou seja os 2 sindicatos. Ainda assim temos recebido inúmeras solicitações de acordo para redução de carga horária e salários conforme garante a MP 936. Estamos analisando caso a caso e validando aqueles em que não haverá perda para os professores e professoras.

Portal CTB: O que fazer nesta conjuntura complexa? Qual o caminho?

Valéria Morato:Não tenho respostas para essas perguntas. Temos vivido um dia por vez e nos adequando a cada dia de acordo com a nova ofensiva do governo. Penso que o que é possível é a utilização das redes sociais para atingir a categoria no sentido de informar o que a grande imprensa não faz.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha