Notícias

Adilson Araújo: "Divisionismo a pretexto de modernização"

31 de janeiro de 2017

A proposta de “modernização” do sindicalismo brasileiro, por meio de uma reforma neoliberal defendida pelos setores conservadores e que ganha ressonância na mídia burguesa, é mais um capítulo da ofensiva reacionária contra a classe trabalhadora, agregado aos projetos de reforma trabalhista e previdenciária.

Por Adilson Araújo*

Com um texto panfletário, recheado de cerca de mil palavras, o jornal Estado de São Paulo, edição de 28 de janeiro, saiu em defesa da tal reforma, cuja essência é a imposição da pluralidade sindical. Ao mesmo em que defende a pluralidade, o Estadão ataca a unicidade sindical, que impede a criação de mais de um sindicato de uma determinada categoria em um mesmo município.

O artigo 546 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) é claro quanto à defesa da unicidade sindical, também inscrita na Constituição Federal (inciso II do artigo 8º). O pretexto da “modernização” encobre uma velha campanha do patronato para dividir e enfraquecer o movimento sindical brasileiro.

As opiniões do decadente jornal da família Mesquita, cuja tiragem deu para crescer como rabo de cavalo, têm o mesmo sentido reacionário de projetos que tramitam no Congresso como os dos senadores Ricardo Ferraço (PSDB/ES), que subordina as entidades à fiscalização do Tribunal de Contas da União (TCU), e Sergio Petecão (PSD/AC), que extingue o chamado Imposto Sindical.

As propostas têm uma aparência enganosa, a exemplo da prevalência do negociado sobre o legislado, e alguns sindicalistas se deixam arrastar pelo canto da sereia liberal. Mas é preciso lembrar o velho ditado “diga-me com quem andas e te direi quem és”. A origem das ideias supostamente modernizantes não deixam dúvidas quanto ao seu caráter político e os interesses de classe que orientam seus advogados.

A reforma sindical pleiteada pelo Estadão é da mesma família das reformas previdenciária e trabalhista. Seu propósito é dividir e fragmentar o movimento sindical para dificultar, ainda mais, a resistência ao golpe do capital contra o trabalho, que se realiza na liquidação de direitos históricos, privatização da Previdência, entrega do pré-sal, fatiamento da Petrobras e sabotagem das iniciativas de integração soberana dos povos da América Latina e Caribe.

A dobradinha reforma trabalhista/reforma sindical é o casamento perfeito para o patronato. A primeira impõe a destruição de direitos e flexibilização/precarização das relações trabalhistas. A segunda garante a fragmentação do movimento sindical, reduzindo a capacidade de resistência e luta contra o retrocesso. Uma dupla estratégia na retirada de direitos.

Tal como em 2016, a resistência em defesa de tudo que conquistamos até aqui será o fio condutor das lutas neste ano que apenas começou. Todos e todas são chamados a ocupar as ruas contra a mais feroz ofensiva do capital contra o trabalho da história brasileira, pois nem os golpistas de 1964 ousaram ir tão longe.

*Adilson Araújo é presidente nacional da CTB

Fonte: Portal CTB

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha