Notícias

Aleppo é a expressão cruenta e sangrenta da brutalidade humana

Fatima Oliveira *

Para entender Aleppo e a guerra civil na Síria, que, segundo a ONU, ceifou a vida de mais de 400 mil pessoas e obrigou mais de 4,5 milhões a fugir, localizemos a “República Árabe da Síria, no Oriente Médio, no Sudoeste da Ásia, com fronteiras com o Líbano e o mar Mediterrâneo a oeste, a Jordânia no sul, Israel a sudoeste, Iraque no leste e Turquia ao norte. Em 2013, a Síria contava com 22,85 milhões de habitantes.

“Damasco é a cidade mais importante e capital do país. Aleppo é a segunda mais significativa. Os sírios não cultivam a religião islâmica e o governo é laico. A maioria do povo é muçulmana, particularmente sunitas, embora não seja difícil encontrar grupos de cristãos ortodoxos” (Ana Lúcia Santana).

A Síria moderna remonta ao pós-Primeira Guerra Mundial (1914-1918). Os conflitos territoriais, sempre bélicos, datam de séculos, embora a Síria seja um “país-chave do equilíbrio geopolítico do Oriente Médio”. “O Partido Baath comanda esse país desde 1963, cuja liderança é o presidente Bashar al-Assad, 51 anos, filho do antigo líder Hafez al-Assad (1930-2000), que ocupou o poder de 1970 até 2000, quando morreu” (Ana Lúcia Santana).

A guerra civil atual na Síria data de janeiro de 2011 e é parte da Primavera Árabe. Desde então, o povo tem sido massacrado impiedosamente. O que mais tocou muita gente, eu inclusive, foi o vídeo recente de um grupo de 47 crianças órfãs pedindo para sair da Síria. O governo diz que até o vídeo das crianças órfãs é obra mentirosa dos “terroristas”, como denomina a todos que se opõem a seu governo. Isto é, há duas versões para a guerra civil na Síria!

Aleppo já foi “a maior cidade da Síria, com 2,3 milhões de habitantes, e o centro financeiro e industrial do país”; é um campo de batalha entre forças do governo e quem luta para depor Assad. Os EUA são contra a permanência de Assad no poder, e a Rússia o apoia. Hoje, “70% da população não tem acesso à água potável, uma em cada três pessoas não consegue suprir as necessidades alimentares básicas, mais de 2 milhões de crianças não vão à escola, e um em cada cinco indivíduos vive na pobreza”. Pagam o maior tributo crianças, mulheres e idosos!

Em todas as guerras, as pessoas mais vulneráveis do ponto de vista da sexualidade são as crianças e as mulheres. Não é à toa que, desde tempos imemoriais, o estupro é uma arma de guerra comum, tanto que devastou a vida de mulheres e famílias em conflitos recentes em Ruanda, Camboja, Libéria, Peru, Somália, Uganda, na ex-Iugoslávia e agora na Síria. Isto é, todas as mulheres, em regiões de guerra, são sobreviventes de violência sexual, de fato ou psicologicamente – um trauma de proporções incomensuráveis.

Gabriele Garcia, em “O Estupro como Arma de Guerra”, relembra que há a lenda (?) de que “a história de Roma, por exemplo, foi marcada pelo episódio denominado ‘O Rapto das Sabinas’, em que Rômulo, o então governante do Império, determinou o rapto de mulheres sabinas para servirem de esposas aos homens que chegavam para ocupar aquelas terras. Por óbvio, seguido ao rapto veio o estupro, como um instrumento viável e determinante de poder e do povoamento da região”.

Lina Shaikhouni, em “Aleppo antes da guerra: ‘A cidade mais bonita e elegante do mundo’” (BBC, 16.12.2016), evidencia a destruição brutal da cidade, que desde a semana passada é controlada pelo governo. Há frágeis acordos de cessar-fogo, e a Cruz Vermelha realiza o resgate, em ônibus e ambulâncias, previsto para durar dias.

Jamais conhecerei a Aleppo que a brutalidade humana destruiu…

0 comentários

* Médica e escritora. É do Conselho Diretor da Comissão de Cidadania e Reprodução e do Conselho da Rede de Saúde das Mulheres Latino-americanas e do Caribe. Indicada ao Prêmio Nobel da paz 2005.

Fonte: Vermelho

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha