Notícias

Anhanguera vai voltar às compras

20 de janeiro de 2011

Com R$ 1 bilhão em caixa, a Anhanguera é uma das instituições de ensino mais cotadas para puxar a retomada da consolidação do setor de educação que deve acontecer em 2011. Nos últimos dois anos, o grupo qeducacional só promoveu uma compra, a carioca Plínio Leite, mês passado.

A escassez de negócios não foi um fenômeno isolado da Anhanguera e sim de quase todo o setor, que promoveu grandes transações entre 2007 e 2008 e deve voltar às compras com força neste ano.

A Anhanguera, líder do segmento com cerca de 300 mil alunos, quer praticamente dobrar o número de campi, que terão capacidade para atender meio milhão de estudantes, até o final do próximo ano. A meta é crescer dos atuais 54 campi para 100, espalhados em todo o país e com isso deixar de ser uma instituição basicamente paulista. Dos 46 campi novos, 80% serão provenientes de aquisições – o que mostra o apetite da companhia.

A expansão nacional é um dos três pilares de crescimento planejados pela Anhanguera para os próximos cinco anos. A companhia tem a seu favor o caixa de R$ 1 bilhão. Desse montante, R$ 844 milhões foram captados em dezembro via oferta de ações.

Outra forte aposta da Anhanguera é a tecnologia – área em que a empresa tem planos ambiciosos. Voltado para o público popular, o grupo educacional quer que seu conteúdo acadêmico chegue aos alunos não apenas pelos livros, mas também por meio de computadores, celulares, tablets e outros apetrechos tecnológicos.

Não à toa, a empresa contratou em setembro para o novo cargo de CEO o ex-presidente do Google no Brasil, Alexandre Dias. Ele tem a missão de fazer com que a Anhanguera se diferencie das concorrentes pela sua plataforma tecnológica. “Com uma plataforma tecnológica avançada, poderemos ter um volume maior de alunos e atuar em outros segmentos”, afirmou Dias.

O terceiro pilar do plano de crescimento também está relacionado à tecnologia, com foco no ensino à distância. A meta é aumentar a fatia dos cursos de pós-graduação, livres e profissionalizantes na receita, que hoje é de 20%. Atualmente, a principal fonte de faturamento, que nos últimos nove meses somou R$ 1,1 bilhão, é a graduação. A meta é que em cinco anos essa fatia salte para 50%. “Isso será possível porque os cursos de pós-graduação, profissionalizantes e os livres têm mais demanda por ensino à distância, que exigem plataforma tecnológica de ponta”, disse Dias.

Dias trocou o Google, com sede nos Estados Unidos, pela Anhanguera há quatro meses. Atraiu-o a possibilidade de poder participar mais diretamente das decisões da empresa, algo difícil em multinacionais de tecnologia, em que as estratégias são praticamente todas definidas pela matriz.

Na Anhanguera, a parte estratégica – que envolve aquisições e assuntos acadêmicos e regulatórios – ainda está nas mãos do fundador da Anhanguera, o professor Antonio Carbonari, que é o presidente do conselho e toca a empresa na sede em Valinhos, no interior de São Paulo. No ano passado, Carbonari dividiu seu tempo com a vida política ao candidatar-se a suplente do ex-senador Romeu Tuma, que morreu em outubro.

Apesar dos recursos fartos, o professor Carbonari tem um desafio complexo a enfrentar: a qualidade do ensino do seu grupo educacional. Segundo o último dados do Ministério da Educação, divulgado na semana passada, a maioria das faculdades da Anhanguera teve notas entre 2 e 3. As faculdades com nota 2 passam a ser supervisionadas pelo MEC, com risco de sanção se não melhoraram a pontuação, que vai de 1 até 5.

Perguntado sobre o assunto, Dias rebate alegando que as faculdades privadas voltadas para as classes de menor poder aquisitivo transformaram o setor. “Esse é um tema bem questionável. Houve um ganho de qualidade porque a classe C pôde ingressar no ensino superior, algo impensável há cinco anos”, disse o executivo.Fonte: Valor Econômico

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha