Notícias

Ao invés de baixar juros, Temer quer aumentar idade e tempo de contribuição

6 de dezembro de 2016

adescortesia

O encontro do presidente ilegítimo Michel Temer com os líderes das maiores entidades sindicais do País para debater Reforma da Previdência terminou sem novidades – apenas confirmou o pacote de maldades preparado pelo governo para a classe trabalhadora.

A reunião ocorrida na noite desta segunda-feira (5) não correspondeu às expectativas dos presentes, que esperavam detalhes da proposta, mas foram surpreendidos com a informação de que o texto final só será apresentado nesta terça-feira (6) ao Congresso Nacional.

Temer apenas fez cena, deixou os sindicalistas cheios de dúvidas e desconversou a maioria dos questionamentos, deixando a discussão para a Câmara e o Senado.

Vídeo denuncia reforma que destrói a Previdência Social. Assista!

Acompanhado dos ministros da Fazenda e Casa Civil, Henrique Meirelles e Eliseu Padilha, o presidente somente confirmou as mudanças já anunciadas, entre elas, o aumento da idade mínima de aposentadoria para 65 anos (homens e mulheres) e a ampliação do tempo de contribuição, de 15 para 25 anos. Temer atribuiu o caos do País à Previdência e tentou vender a reforma como solução para a crise.

Para o presidente da CTB, Adilson Araújo, o encontro foi uma descortesia de Michel Temer com os convidados, atraídos pela promessa de discutir as mudanças. Ele disse ainda que o governo omite os números da Previdência para tentar justificar a reforma.

“O governo justifica que precisa atrair investidores. No entanto, tenta jogar o ônus da crise no colo do trabalhador. Os planos para a retomada do crescimento econômico não devem envolver a questão previdenciária. Com o mundo em retração, diversos países, sabiamente, discutem reduzir taxas de juros para aquecer a produção, o mercado. O governo brasileiro faz o caminho inverso – aprova uma Reforma da Previdência num momento em que os trabalhadores estão passando por um processo de profunda flexibilização dos direitos sociais e trabalhistas. O planalto esconde os números e opta por sonegar a informação. A previdência precisa ser debatida de maneira universal. Se levarmos em conta o tripé Seguro Social, Assistência Social e Saúde, os números fecham e a conta torna-se superavitária”, avaliou Adilson.

Pascoal Carneiro, Secretário de Previdência da central, acrescentou – “Esta reunião não trouxe nada de novo. Saímos com as mesmas informações que já tínhamos quando entramos aqui. Não trouxeram nenhuma informação a mais. Temer ainda nos preocupou ao dizer que dentro de pouco tempo deve haver outra reforma previdenciária. Na verdade, a intenção dessa mudança é retirar dinheiro e direitos do trabalhador. Esse encontro foi apenas para ele mostrar à imprensa que recebeu as centrais sindicais. Não entendi porque nos chamou aqui, se não estava disposto a dialogar”, criticou.

Fonte:  Portal CTB
Foto: Valcir Araújo

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha