Notícias

Artigo: Será o começo do fim da escola pública?

21 de março de 2018

O jornal Folha de São Paulo publicou uma informação assustadora na manhã de hoje (20/03). Via Conselho Nacional de Educação (CNE), o Ministério da Educação (MEC) quer permitir que até 40% da carga horária destinada ao ensino médio regular seja ofertada à distância (Ead) e 100% da Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Se por si só o fato já é preocupante, pesquisa revela que 49% dos jovens com idade entre 16 e 20 anos tem no celular seu melhor amigo. Quando desvenda o motivo dessa dependência, 59% indicam que o fazem quando se sentem sozinhos e 48% afirmam que se não tivesse um smartphone se sentiriam isolados. O dado mais alarmante registra que 33% dos entrevistados priorizam o artefato tecnológico em vez de passar mais tempo com os amigos, a família ou pessoas importantes.

Se os dados da pesquisa apontam para o isolamento social, a discussão no CNE remete ao debate em torno do papel da escola na sociedade contemporânea.

Duas concepções filosóficas polarizaram o debate no início da Modernidade. De um lado tem-se Locke e Rousseau, do outro Lutero e Condorcet.

Para os primeiros, a escola é um ambiente de depravação moral, recinto que não contribui para o aprimoramento individual e, por conseguinte, social. Não por acaso ambos defendem uma educação domiciliar, privando a criança dos espaços coletivos.

Já os outros dois enfatizam que cabe ao Estado a responsabilidade de instruir as crianças e os jovens, o que requer a construção e manutenção de estabelecimentos educativos. Grosso modo, Lutero e Condorcet entenderam que a instrução permite que cada indivíduo guie as próprias ações de forma racional. De igual modo, a escola, como instituição social, colabora com a diminuição da desigualdade social, visto que ela transmite o saber escolar para todos de forma igual.

Herdeira da tradição Moderna, pode-se afirmar que a escola contemporânea cumpre o desígnio de socializar os indivíduos, especialmente as crianças e os jovens, como também é o ambiente no qual se transmite os saberes constituídos no decorrer da história.

A proposta em discussão no CNE contraria o espírito educativo vigente, especialmente porquê remete ao indivíduo a responsabilidade com a própria educação, individualizando o processo educativo, sem qualquer mediação coletiva.

Por outro lado, a escola deixa de cumprir parte considerável do papel de combater a desigualdade social, visto que ela não terá mais a função de homogeneizar conhecimentos elementares para todos.

Contudo, a modalidade EaD pode cumprir um papel importante no processo educativo, reforçando os saberes escolares ministrados na modalidade presencial ou auxiliado no aprofundamento dos conhecimentos previamente ministrados por meio de pesquisas. O que não é correto é ela substituir, parcial ou integralmente, uma fase crucial do processo educativo, o ensino médio.

Em suma, caso aprovada, a medida permite vislumbrar o enfraquecimento da escola pública como espaço de socialização e transmissão de conhecimentos, acarretando no crescimento da desigualdade e no maior isolamento social, premissas que compõem o ideal Moderno de educação.

*Christian Lidberg é professor de Filosofia da Educação na Universidade Federal de Sergipe.

*Para o Portal CTB

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha