Notícias

Artigo: Somente os pobres podem salvar a agricultura

21 de novembro de 2008

A crise com certeza já se espalhou pelo mundo todo e também por todos os setores da economia, um verdadeiro “tsunami”, salve-se quem puder. O colapso financeiro começou no centro do capitalismo mundial abalando a fé nos mercados e desestruturando o sistema de preços globais pela dificuldade de se encontrar parâmetros ou referências confiáveis para os agentes econômicos agiram, tornando o ambiente dos negócios completamente caótico. A medida, duração e intensidade podem surpreender a todos, pois trata-se, talvez, da maior crise da história do capitalismo.

Há cerca de um ano o mundo passava por uma onda especulativa das commodities agrícolas, gerando uma pressão para cima dos preços dos alimentos. Culpava-se, entre outras coisas, a expansão da cana para produção de biocombustível a partir de etanol como causa da escassez de alimentos, pois concorria com a produção desses gêneros num momento de crescente demanda, já que os pobres do mundo estavam tendo um pouco mais de acesso ao consumo.

Passado esse tempo, durante o qual se produziu muita discussão sobre o futuro da produção mundial de alimentos e do abastecimento da população do planeta, gerando expectativas pessimistas e alarmistas, o fato é que o setor agrícola respondeu ao chamado, estimulado pela situação mais favorável dos preços de seus produtos. Não se configurou uma situação catastrófica como muitos analistas previam. O Brasil, por exemplo, obteve uma safra recorde no período e os agropecuaristas ganharam muito dinheiro.

É inerente a este setor flutuações periódicas de preços e elevado grau de riscos, ora devido a um excesso de demanda ou de oferta, ora devido às condições climáticas, meteorológicas e incidências de doenças e pragas a que as culturas estão submetidas. Um ou mais anos ruins convivem muito bem com outros de elevados rendimentos. Com a crise atual atingindo a economia real, sobram especulações sobre a situação da agricultura. Agora a tendência, ao contrário, é de queda dos preços, o que afeta em cheio a lucratividade. Outro problema é a escassez de crédito devido à falta de confiança dos agentes financeiros quanto ao futuro. O governo já providenciou auxílio ao setor, como parte do pacote de políticas anticíclicas.

Uma vantagem nós temos, nossa agricultura é uma das mais competitivas do mundo, temos terra em abundância e tecnologia avançada. Quanto à mão-de-obra, ela é abundante e, infelizmente, extremamente barata. Para o capital todas as condições favoráveis estão dadas. Não me espanta o chororô dos agropecuaristas, pois todos querem aproveitar a crise para obter vantagens governamentais, haja vista os bilionários banqueiros que já se anteciparam a todos na obtenção desses recursos públicos, numa espécie de keynesianismo ao contrário, para os ricos, como foi todo o período de FHC e que ainda permanece com intensidade considerável.

É evidente que haverá um grande choque devido à queda dos preços das commodities agrícolas, mas a demanda por alimentos no mundo não deverá cair acentuadamente. Acho até que ela é crescente, como ocorre hoje na Ásia, África e a América Latina por causa de taxas consideráveis de crescimento econômico e de políticas sociais de distribuição de renda. Esta aí a chave da equação para a agricultura, o governo deve realizar políticas mais contundentes de distribuição de renda e emprego para forçar o consumo dos pobres para cima, estimulando o setor. Entre elas, melhorar e expandir o “bolsa família”, realizar concursos públicos, criar oportunidades de emprego, estimular a produção, favorecer as pequenas e médias empresas, melhorar e expandir a estrutura de crédito para a agricultura familiar e intensificar o processo de reforma agrária.

Esta crise poderá ser um momento de grande oportunidade para o Brasil, mas somente se as políticas de governo avançarem na direção dos mais pobres. Os ricos do país já ganharam muito dinheiro, aliás, como nunca. Agora é hora de fazermos a acerto de contas, pois o sacrifício desta crise não poderá ser socializado. O povo não merece e nem a economia suporta, pois, se for assim, poderemos nos afundar a todos. Murilo Ferreira da Silva é mestre em Administração e Desenvolvimento e diretor do Sindicato dos Professores de Minas Gerais

 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha