Notícias

As nuances do capital e os números da expansão da privatização na educação

24 de setembro de 2015

Especialistas reunidos na tarde desta quarta-feira (23/9), na quinta do seminário internacional “Os diferentes modos de privatização da educação no mundo e as estratégias globais e locais de enfrentamento”, abordaram os números que comprovam a expansão da onda privatista no Brasil. Diante do cenário, apontaram uma constatação: não bastam soluções legislativas para frear as corporações, uma vez que o capital assume diversas formas se instalar nas economias.

“Estou convencido que a solução legislativa não é suficiente. Não adianta regular tudo, porque outros países que estão bastante regulados, com limites a participação de capital privado, com um tempo encontra meios de entrar. É um capitalismo camaleão, porque ele sabe como se instalar novamente”, declarou Antonio Olmedo, pesquisador da Universidade de Roehampton, no Reino Unido (confira Apresentacao Antonio Olmedo).

O evento, que ocorre desde a segunda-feira (21/9), no Hotel Braston, em São Paulo (SP), se encerra nesta quinta-feira (24), e é organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee), em parceria com a Internacional de Educação (IE), Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Proifes-Federação).

Olmedo analisou a atuação das corporações que impõem o seu modo de operar. Abordou, ainda, as formas de pressão que esses grandes capitais exercem para interferir na agenda política dos países, forçando instâncias governamentais a reconhecê-los como soluções viáveis frente aos desafios educacionais, especialmente organizações que se apresentam como filantrópicas, o que ele chama de filantrocapitalismo ou filantropia 3.0.

Números
A professora Madalena Guasco Peixoto, da Faculdade de Educação da PUC-SP e coordenadora-geral da Contee, fez um resgate da expansão da educação superior brasileira, a partir da mercantilização e financeirização o setor (Acesse a Apresentacao Madalena Guasco . A coordenadora da Confederação lembrou que o caso brasileiro segue a tendência mundial de concentração crescente de instituições de ensino superior em grandes conglomerados financeiros.

Alguns mecanismos que contribuíram para essa concentração são o ProUni e o Fies. Também citou a falta de uma regulação mais eficiente que garanta a qualidade no ensino e obrigue as instituições a cumprirem as responsabilidades sociais: “Daí a importância em pressionar pela aprovação do Insaes (Instituto Nacional de Supervisão e Avaliação da Educação Superior)”.

Quem também apresentou dados consistentes que comprovam a concentração do capital nas corporações educacionais foi o professor Celso Napolitano, do Departamento de Informática e Métodos Quantitativos da FGV em São Paulo e presidente da Fepesp e do Diap. Ele apresentou os resultados do estudo “Análise econômico financeira de empresas do setor de Educação” com indicadores e resultados financeiros de dos grupos (de capital aberto) Kroton-Anhanguera, Estácio, Anima e Ser; e empresas particulares de capital fechado (Mackenzie e Unicsul).

Entre outros resultados, o estudo constatou que as companhias Kroton, Anima, Estácio e Ser tiveram, em média, salto de 201% na receita líquida no período – acima da média das empresas de outros setores. Por outro lado, esses grandes grupos têm direcionado cada vez menos recursos aos professores. O levantamento é da consultoria de Oscar Malvessi, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), encomendado pela Fepesp, e publicada pela grande mídia em julho de 2015.

Deborah Moreira
Imprensa Contee

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha