Notícias

Assembleia define paralisação das atividades no dia 29 de abril

18 de abril de 2015

Por valorização e contra a terceirização, categoria
faz nova assembleia com paralisação das atividades

Em assembleia da campanha reivindicatória, neste sábado (18/4), os professores de escolas particulares de Belo Horizonte e região decidiram paralisar as atividades no dia 29 de abril (quarta-feira). Nova assembleia será feita neste mesmo dia, às 9 horas, para decidir o rumo da campanha, na Associação Médica de Minas Gerais (Av. João Pinheiro, 161 – Centro – BH).

A categoria também recusou a contraproposta patronal (Sinep/MG), que prevê reajuste salarial de 8% (percentual abaixo da inflação do período, de 8,42%), sendo que, para os professores do ensino superior, esse percentual seria fracionado – 6,4% a partir de abril e o restante em setembro.

Além disso, a contraproposta não atende a pauta de reivindicações entregue no final do ano passado, o que gerou impasse nas negociações. Para os professores, a contraproposta patronal não se justifica, diante da expansão das escolas privadas e do aumento das mensalidades.

Os docentes reivindicam, entre outras coisas, reajuste de acordo com a inflação mais a variação do Produto Interno Bruto, elevação do adicional extraclasse, equiparação dos pisos da educação básica e unificação do piso do ensino superior.

Na assembleia, professores destacaram que a paralisação tem o objetivo de pressionar os donos de escolas a avançarem nas negociações e de ampliar a mobilização pela valorização da categoria. Eles relataram que há, entre os colegas, um clima favorável para isso, em função dos baixos salários, da sobrecarga de trabalho e da pressão sofrida no cotidiano escolar.

Terceirização e os direitos dos professores
A paralisação também vai chamar a atenção da categoria para os riscos do projeto de lei 4330, cujo texto-base foi aprovado na Câmara no início deste mês. O projeto amplia a terceirização para todas as funções da economia.

Na prática, significa que todo o trabalhador poderá ser terceirizado. Atualmente, esse tipo de contratação é permitida apenas para a chamada atividade-meio, e não para a atividade-fim da empresa.

Uma escola particular, por exemplo, pode terceirizar serviços de limpeza e segurança, mas não contratar professores terceirizados. Pelo texto votado na Câmara, essa limitação não existirá mais.

Leia também:
Direitos dos professores do setor privado que poderão ser afetados pelo PL 4330

“Os professores de qualquer disciplina, como português e matemática, poderão ser terceirizados e deixarão de ser contratados diretamente pela escola onde trabalham. Com isso, perdem direitos previstos na nossa Convenção Coletiva de Trabalho, como o da isonomia salarial e o da bolsas de estudo”, alertou Gilson Reis, presidente do Sinpro Minas.

“Muitos professores acreditam que esse projeto não os atinge, mas isso não é verdade. A situação é gravíssima e, caso seja aprovado no Senado, vai afetar todos os trabalhadores do país. O resultado será menores salários e piores condições de trabalho. A medida é danosa para todos”, ressaltou Gilson Reis, ao falar da necessidade de a sociedade pressionar para derrubar o projeto.

Na semana passada, os protestos contra a proposta que tomaram conta do país fizeram com que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que é favorável à medida, adiasse para o dia 22 de abril a votação das emendas, por falta de acordo entre os líderes partidários. Segundo informações que circularam pelo Congresso, as manifestações pelo país e a pressão contra a proposta nas redes sociais deixaram alguns parlamentares acuados.

No entanto, a proposta foi aprovada e agora segue para o Senado, que vai opinar sobre a matéria. De acordo com as centrais sindicais, somente a pressão popular pode derrubar o projeto de lei e impedir que direitos dos trabalhadores sejam retirados.

Leia também:
Deputados federais mineiros a favor da terceirização

Mais trabalho e menores salários
De acordo com levantamentos e estudos, entre eles o feito pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), os terceirizados recebem menores salários, trabalham, em média, três horas a mais por semana, estão mais sujeitos a acidentes no ambiente profissional, a menos direitos trabalhistas e a piores condições de trabalho, em relação aos trabalhadores contratados diretamente pelas empresas.

Na avaliação de juristas e pesquisadores do assunto, a proposta representa um retrocesso histórico para os trabalhadores e foi aprovada para atender os interesses dos empresários.

“Vamos paralisar pela valorização da categoria, por melhores condições de trabalho e salários, e contra o projeto de lei da terceirização, que na prática acaba com direitos históricos de todos. Por isso a participação e a mobilização dos professores é fundamental. Só assim conquistaremos avanços”, destacou Gilson Reis.

Clique aqui e acesse o Intervalo da campanha reivindicatória 2015.

Campanha reivindicatória 2015

Assembleia com paralisação das atividades

Data: 29 de abril – quarta-feira

Horário: 9 horas

Local: Associação Médica de Minas Gerais (Av. João Pinheiro, 161 – Centro – BH)

* Atualizado em 24/4, para atualização e acréscimo de informações

Terceirização

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha