Notícias

Bob Dylan é premiado com o Nobel de Literatura

17 de outubro de 2016

Temperamental, o cantor e compositor americano Bob Dylan continua fazendo jus à sua fama de mal-humorado: mais de um dia se passou, e o bardo não se dignou a atender um telefonema da academia sueca que acaba de lhe conceder o prêmio Nobel de Literatura.

Dylan, 75 anos, é o primeiro músico a ganhar a distinção literária em mais de um século (antes dele, a honraria fora concedida apenas ao musicista indiano Rabindranath Tagore, em 1913).

Na definição dos jurados, Dylan foi homenageado por ter criado, ao longo dos seus mais de 70 álbuns e centenas de canções, uma nova expressão poética dentro da grande tradição norte-americana da canção. Reconhecimento que vai além dos dois livros que efetivamente publicou, Tarântula (1966) e Chronicles 1 e 2, sua autobiografia.

Nascido Robert Allen Zimmerman, o rebelde garoto americano trocou o sobrenome de família pelo prenome do seu poeta favorito (Dylan Thomas) e encantou uma geração de hippies e fãs do country e do folk para depois “os apunhalar pelas costas”, como muitos críticos disseram, ao trazer às suas melodias harmonizadas com gaita e violão uma guitarra distorcida, barulhenta – roqueira.

Seu repertório produziu clássicas canções de protesto, com letras socialmente engajadas, que bradavam contra a violência racial, a política excludente e o imperialismo americano. Dylan nunca aceitou o rótulo, por mais que Blowing in the Wind, The Times They are-a Changing, Mr Tambourine Man ou Hurricane sejam ainda hoje libelos humanistas, hinos a refletir sobre os tempos e suas perversas injustiças.

Na década de 1960, Dylan era o homem que não fazia concessões. Ele esculhambava com sarcasmo os empolados articulistas da revista Time, e não tentou contemporizar quando, durante um show em Manchester Free Trade Hall, em 1966, num intervalo entre as músicas, alguém da ala country da plateia o acusou: – Judas (por causa do uso das guitarras).

Dylan virou-se para a banda e gritou: “Play it fucking loud” (Toque isto muito alto), e assim introduziu a próxima música do repertório: o clássico Like a Rolling Stone, para delírio do público – ou pelo menos parte dele.

bobdylan

A voz rouca da discórdia nunca esmoreceu. E está aí mesmo uma das contradições mais fascinantes de Dylan: em mais de meio século de carreira, ele elevou a sua obra a um patamar universal.

É interpretado por uma diversificada gama de músicos que vai da cantora pop Sheryl Crowe ao brasileiro Zé Ramalho, do reggae de Bob Marley ao rock dos Rolling Stones ou a MPB de Caetano Veloso (além da banda mineira Skank que fez uma versão da canção I want you, de Dylan, intitulada Tanto).

A sua música é interpretada por vozes delicadas como Gal Costa e Joan Baez, e também funciona perfeitamente bem em versões roqueiras de bandas como os Byrds, Guns´n Roses ou de Neil Young.

A universalidade de sua música também pode ser observada através da biografia do artista escrita pelo jornalista Robert Shelton, lançada há alguns anos no Brasil: “No Direction Home: a Vida e a Música de Bob Dylan” (Larousse).

O livro enfoca a trajetória do músico e mostra a competência que ele teve em criar sólidas redes sociais junto a artistas que admirava, com uma profícua troca de composições e letras.

Nesta célebre galeria de amigos estão John Lennon, Johnny Cash, Allen Ginsberg e muitos outros. O livro, inclusive, emprestou seu título à cinebiografia dirigida por Martin Scorsese em 2005, e forneceu bases para o roteiro de um outro filme que está sendo produzido atualmente sobre o artista.

Confira alguns clássicos de Bob Dylan:

Confira alguns clássicos de Bob Dylan:





Portal CTB

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha