Notícias

Brasil avança em desenvolvimento social

5 de novembro de 2010

Brasil fica em 73º em ranking de desenvolvimento social da ONU

Paula Laboissière e Vitor AbdalaRepórteres da Agência Brasil

Brasília e Rio de Janeiro – O Brasil ocupa a 73ª colocação no ranking
do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado hoje (4) pelo
Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). O índice de
0,699, de acordo com o órgão, situa o país entre as nações de alto
desenvolvimento humano e supera ainda a média mundial, de 0,624.

Ao
todo, 169 países foram pesquisados. O resultado brasileiro se aproxima
do IDH registrado para toda a América Latina e o Caribe, de 0,704. O
índice varia de 0 a 1 e, quanto mais próximo de 1, maior o nível de
desenvolvimento humano.

O país ficou em 11º lugar na América
Latina e em quinto lugar na América do Sul, atrás do Chile (0,783), da
Argentina (0,775), do Uruguai (0,765) e Peru (0,723). Entre os países do
Bric, o Brasil ficou atrás da Rússia (que ficou em 65º lugar, com
0,719) e à frente da China (89º, com 0,663) e Índia (119º, com 0,519).

O
Pnud destacou que a metodologia utilizada na formulação do IDH este ano
sofreu alterações e que os números divulgados não podem ser comparados
aos anteriores. O órgão, entretanto, recalculou o IDH brasileiro em 2009
com base na nova metodologia e apontou uma evolução de quatro posições
no ranking.

Com base em novos cálculos, o índice
brasileiro apresentou um ganho de 7,6% desde 1980. O progresso foi mais
rápido do que o latino-americano (6,6%) e mais lento do que o global
(9,3%). De 2005 para cá, a alta foi de 3,1% e, de 2009 para 2010, de
0,8%.

A lista do IDH em 2010 é liderada pela Noruega (0,938),
seguida pela Austrália (0,937), Nova Zelândia (0,907), pelos Estados
Unidos (0,902) e pela Irlanda (0,895). As últimas posições são ocupadas
por Moçambique (0,284), Burundi (0,282), Níger (0,261), pelo República
Democrática do Congo (0,239) e pelo Zimbábue (0,140).

O Brasil
ficou acima da Geórgia (0,698), da Venezuela (0,696), da Armênia (0,695)
e do Equador (0,695), e abaixo das Ilhas Maurício (0,701), da Macedônia
(0,701), do Irã (0,702), da Ucrânia (0,710) e da Bósnia-Herzegovina
(0,710).

O IDH engloba três aspectos considerados essenciais pelo
Pnud para o desenvolvimento humano: o conhecimento (medido por
indicadores de educação), a saúde (medida pela longevidade) e o padrão
de vida digno (medido pela renda). O progresso, segundo o órgão, deve
ser mensurado não apenas pelo crescimento econômico, mas também por
conquistas em saúde e educação.

Na última década, a expectativa de
vida dos brasileiros aumentou 2,7 anos, enquanto a média de
escolaridade cresceu 1,7 ano e os anos de escolaridade esperada recuaram
em 0,8 ano. A renda nacional bruta do país teve alta de 27% no período.

O
Pnud também divulgou um Índice de Pobreza Multidimensional (IPM), que
avalia privações nas áreas de saúde, educação e padrão de vida. O Brasil
ficou com 0,039, o mesmo índice da Turquia. Segundo o relatório
divulgado hoje, o país tem 8,5% dos brasileiros vivendo nesse tipo de
pobreza.

Além disso, segundo Pnud, 13,1% dos brasileiros estão em
risco de entrar nessa condição. O país registra ainda 20,2% dos
habitantes com pelo menos uma grave privação em educação. No caso da
saúde, esse índice é de 5,2%, e, do padrão de vida, de 2,8%.

Edição: Juliana Andrade // A matéria foi ampliada

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha