Notícias

Brasileiros elegem primeira mulher para a presidência

3 de novembro de 2010

Dilma: a carta que Lula tirou da
manga

Tereza Cruvinel

Especial para a Agência Brasil

Brasília – Dilma Vana Rousseff já
teve muitas vidas, muitos nomes e muitos projetos de vida. O que ela nunca
imaginou é que seria a primeira mulher brasileira a conquistar, pelo voto, o
mais alto cargo da República, até agora ocupado só por homens. Ela foi eleita
presidente com 55,5 milhões de votos, correspondentes a 56,01% dos votos
válidos, derrotando José Serra, do PSDB, que teve 43,606 milhões de votos, ou
43,99% do total de votos validos (com 99,56% das urnas apuradas).

Muita gente, dentro e fora do governo,
também achava que isso seria impossível: embora a política tenha marcado toda a
sua vida, Dilma nunca havia disputado antes uma eleição.

“Dilma não tem jogo de cintura
eleitoral”, “Dilma é durona e carrancuda”, “Dilma é uma técnica sem carisma”. “Dilma
não tem trânsito entre os partidos e os políticos”. Tudo isso e muito mais foi
dito sobre a então ministra-chefe da Casa Civil, quando, ainda em 2008, começou
a circular a notícia de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pensava nela
como candidata a sua sucessão.

No segundo mandato, a aprovação
do governo e a popularidade do presidente Lula alcançaram índices inéditos, e
isso foi possível porque, depois de ajustar as contas públicas no primeiro
mandato, a política econômica, combinada com a política de distribuição de
renda e os programas sociais começou a produzir excelentes resultados: a
economia crescia, gerava mais empregos, a renda dos mais pobres aumentava, a
desigualdade diminuía, o país se tornava melhor internamente e mais respeitado lá
fora. Na era Lula, cerca de 28 milhões de pessoas deixaram a pobreza extrema e
ascenderam socialmente.

Mas esse paraíso político foi
precedido de um inferno zodiacal. No primeiro mandato esses resultados ainda
não haviam aparecido. Além de ter feito um ajuste fiscal necessário, mas que
atrasou a retomada do crescimento, o governo enfrentou escândalos que minaram a
popularidade de Lula e do PT.

Os nomes fortes do partido, que
poderiam ter sido alternativas sucessórias para 2011, foram todos queimados nas
crises do primeiro mandato. José Dirceu, ex-chefe da Casa Civil, foi cassado no
escândalo do mensalão, e o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci foi alvejado
pela quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo.

Na substituição de Dirceu, Lula
surpreendeu a todos ao descartar quadros políticos do PT e dos partidos aliados
e convidar Dilma, então ministra de Minas e Energia, de perfil eminentemente
técnico. Lula pediu-lhe um choque de gestão na Casa Civil e uma atuação mais
gerencial e menos política. Era exatamente o que ela sabia fazer.

Mas esta não foi a primeira vez
que Lula surpreendeu com o nome de Dilma. Ele a conhecera no Rio Grande do Sul,
como secretária de Minas e Energia do governo do petista Olívio Dutra. Na
montagem do primeiro ministério, em 2002, ele desautorizou um acordo já fechado
por seu coordenador político José Dirceu com o PMDB e entregou a ela a pasta de
Minas e Energia. 

Ali, Dilma trabalhou duro para
evitar um novo apagão elétrico, como o que houvera no governo de Fernando
Henrique, desenvolveu o Programa Luz para Todos, planejou a construção de novas
hidrelétricas e a diversificação da matriz energética brasileira. Essa dinâmica
é que Lula queria na Casa Civil. E Dilma não o decepcionou. Passou a coordenar
as ações de todo o governo e ganhou fama de durona.

“Até parece que vivemos cercadas
por homens meigos e delicados”, ironizou Dilma na época.

A ministra havia brigado pela
redução do superávit fiscal para que sobrassem mais recursos para investimentos
em obras de infraestrutura, que criam as bases para o crescimento de longo
prazo, aquecem a economia e geram empregos. No final do primeiro mandato, já
havia dinheiro para isso e ela elaborou o Plano de Aceleração do Crescimento
(PAC), pedido por Lula. O programa foi lançado em janeiro de 2007, nos
primeiros dias do segundo mandato.

O PAC previa investimentos de R$
500 bilhões em quatro anos, em grandes obras de infra-estrutura, como portos,
ferrovias e hidrelétricas, gastos com obras em favelas e o financiamento
habitacional maciço, como o programa Minha Casa, Minha Vida.

Foi na inauguração de obras de
saneamento e habitação numa favela do Rio de Janeiro, o Complexo do Alemão, no
dia 7 de março de 2008, que Lula começou a escolher sua sucessora. “A
Dilma é uma espécie de mãe do PAC. É ela que cobra, junto com o Marcio Fortes
[ministro das Cidades], se as obras estão andando. e agora vocês também vão ver
o que é ser cobrado pela Dilma.”

Em recente entrevista à TV Brasil
Internacional, Lula nos contou, no intervalo da gravação, que naquele dia
começou a amadurecer a ideia de que Dilma poderia ser a candidata que ele não
tinha para a sucessão que se aproximava. A oposição tinha dois nomes fortes,
Aécio Neves e José Serra, ambos já provados nas urnas. Dilma não tinha
experiência eleitoral, mas representava uma novidade. Era mulher, pensava o
presidente. Se conseguisse transferir para ela uma parte de sua imensa
popularidade, poderia elegê-la.

Ela surpreendeu-se com a
confidência, mas não recusou a ideia. Dilma sabia de todas as dificuldades que
seu nome enfrentaria, inclusive dentro do PT. Lula tratou disso com os
dirigentes do partido. Dilma não era mesmo um quadro histórico, mas o partido
também não tinha outro nome. Quem tinha a força era Lula e sua indicação foi
prontamente aceita. O PT a escolheu oficialmente em fevereiro deste ano. Dilma
deixou o governo, juntamente com dez ministros, em 31 de março para enfrentar a
aventura eleitoral.

Muitos nomes, muitas Dilmas

Mas quem é esta mulher que, tendo
pensando em ser bombeira ou trapezista, tendo enfrentado a prisão e a tortura
por causa de suas ideias políticas, mas nunca tendo disputado uma eleição,
torna-se a primeira presidente do Brasil?

Embora não tivesse mesmo
disputado qualquer eleição antes, a política sempre foi o motor da vida de
Dilma. Sua atuação começou no movimento estudantil, no segundo grau e depois na
universidade, combatendo a ditadura militar. A militância a levará para a
clandestinidade e para a prisão. Enfrentará a tortura nos porões do Dops
(Departamento de Ordem Política e Social) e três anos de reclusão no Presídio
Tiradentes.

Tudo começou em Belo Horizonte,
onde ela nasceu em 14 de dezembro de 1947. Seu pai, Pedro Rousseff, foi um
imigrante búlgaro. Chegou ao Brasil nos anos 30, casou-se com uma professora
chamada Dilma e tiveram três filhos, formando uma típica família de classe
média.

Dilma, a mais velha, estudou
primeiro num colégio de freiras tradicional, o Sion, onde tomou gosto pelos
livros, principalmente os de literatura. Há pouco tempo, ficou sabendo que só
ela e mais três colegas do Sion seguiram carreiras profissionais. As outras
tornaram-se donas de casa, como era o costume.

No ano de 1964, em que os
militares derrubaram o presidente João Goulart, dando início à ditadura, Dilma
entrou para o Colégio Estadual Central, foco da agitação estudantil
secundarista da capital mineira. Três anos depois passa no vestibular para
economia, na UFMG, e ingressa na organização esquerdista Polop, tornando-se uma
líder estudantil importante, culta e combativa.

Nesse tempo aconteceram coisas
importantes na vida de Dilma. Conquistou amigos que tem até hoje, como o
ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel, e o hoje deputado José Aníbal,
do PSDB. Namorou com Cláudio Galeno e com ele teve um casamento que durou
pouco. A vida agitada e o mergulho que foi obrigada a dar na clandestinidade
não ajudaram.

Nessa época, a Polop se
transforma em Colina – Comando de Libertação Nacional, que irá se fundir com a
Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), formando a VAR-Palmares. A VAR-Palmares
fez algumas ações armadas contra a ditadura, mas Dilma, que atuava em
estratégia e planejamento, não participou de nenhuma delas. Na campanha,
entretanto, essa passagem de sua vida foi muito explorada.

Na clandestinidade, como mandavam
os manuais de segurança, Dilma usou vários codinomes. Chamou-se Luiza, Wanda,
Marina, Estela, Maria e Lúcia. Separa-se de Galeno, que vai para o exílio, e
conhece Carlos Franklin de Araújo, que vem a ser seu segundo marido e pai de
sua filha Paula.

Em 1970  Dilma é presa e brutalmente torturada durante várias semanas.
Depois é condenada a três anos de reclusão, tempo em que passou sobretudo no
Presídio Tiradentes, onde o marido Carlos Araújo também cumpria pena em outra
ala. Três anos depois, após serem libertados, constroem uma vida juntos no Rio
Grande do Sul, onde nasce Paula, que no final do primeiro turno, dará a Dilma
seu primeiro neto, Gabriel.

Em Porto Alegre, já em liberdade,
Dilma consegue terminar o curso de economia e a seguir cursa o mestrado. Atua,
com o marido, nos movimentos pela anistia e pela redemocratização. Ajudam a
fundar no estado o PDT de Leonel Brizola.

Em 1986, o pedetista Alceu
Collares elege-se prefeito de Porto Alegre e convida Dilma para ocupar a
Secretaria Municipal de Fazenda. Collares elege-se governador em 1990 e ela se
torna secretária estadual de Minas, Energia e Comunicação.

O governo de Collares era fruto
de uma aliança entre o PDT e o PT, que se romperá em 1994. Dilma faz então a
opção pelo PT, filiando-se ao partido. Outra aliança que se rompe nessa época é
a matrimonial. Separa-se do marido Carlos Araújo, embora preservem grande
amizade e cumplicidade até hoje.

Foi como secretária de Minas e
Energia que Dilma conheceu Lula e despertou seu interesse, valendo-lhe, mais
tarde, a nomeação para a pasta de  Minas
e Energia.

Um câncer no caminho

A caminhada para a Presidência
não foi fácil. Com a candidatura já definida por Lula e aceita pelo PT, Dilma
descobre, no inicio de 2009, que tinha um câncer linfático. O anúncio da
doença, no dia 25 de abril, foi uma decisão corajosa.

No primeiro momento, a
candidatura foi dada como inviável. Ela poderia não vencer a doença e, mesmo
que vencesse, o eleitorado poderia rejeitar seu nome, temendo o pior. Os
médicos garantem chances de cura superiores a 90%. Dilma faz sessões de
quimioterapia, perde o cabelo e usa peruca por uns tempos, sem interromper a rotina
de trabalho na Casa Civil. No final do ano, os médicos a declaram curada.

No final de 2009, a sua saúde vai
bem e a popularidade do presidente, melhor ainda. Dilma volta a um hospital,
mas agora para cuidar da imagem. O conselho fora de Lula. Ela faz uma plástica
e reaparece em público, em 2010, com a fisionomia mais jovem e descansada. Está
começando a batalha eleitoral.

Mas ela começa em desvantagem. Em
fevereiro deste ano, tinha uma média de 28% de preferência e José Serra, do
PSDB, sempre mais de 40%. O primeiro empate acontece em maio deste ano, mas
surge um fator inesperado, o crescimento da candidatura de Marina Silva, que
trocara o PT pelo PV.

A campanha começa para valer em
agosto e o presidente Lula entra em campo, garantindo a transferência de votos
de que muita gente duvidava. Em 15 de maio deste ano, o instituto Vox Populi
divulga a primeira pesquisa em que Dilma, com 38%, ultrapassa José Serra, com
35%.

Diferentes institutos apontam a
vitória de Dilma no primeiro turno de 3 de outubro por mais de 50% dos votos,
mas ela obtém apenas 47% dos votos. Os analistas apontam duas causas para o
segundo turno. O crescimento da candidata Marina Silva, do PV, e uma forte onda
de boatos, inclusive pela internet, acusando Dilma de ser a favor do aborto e
do casamento entre homossexuais. Ela perde milhões de eleitores entre católicos
e evangélicos.

No segundo turno, a campanha é
agressiva, os candidatos sobem o tom nos debates e o presidente Lula volta à
arena eleitoral. Mas desta vez ela alcança a maioria necessária e torna-se a
primeira presidente eleita do Brasil.

Edição: Nádia Franco

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha