Notícias

Câmara sedia ato público em defesa da reforma política

26 de fevereiro de 2015

A Coalizão pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas realizou nesta quarta-feira (25), na Câmara dos Deputados, em Brasília, ato público em defesa da reforma política democrática. O objetivo do movimento, composto por 106 entidades, entre elas a CTB, é ampliar o debate sobre o Projeto de Reforma Política Democrática, descrito no Projeto de Lei (PL) 6316/2013, e buscar o apoio parlamentar à matéria. O movimento é encabeçado pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), e pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

O presidente da (CNBB) e arcebispo de Aparecida do Norte (SP), cardeal Raymundo Damasceno, explicou que a intenção do movimento é contribuir com o projeto, que, acredita, seja o melhor para o Brasil. “Essa proposta é apoiada por esta Coalizão bastante ampla, bastante significativa enquanto representante da sociedade brasileira e atende as necessidades da sociedade por um projeto de reforma política democrática”, afirmou.
De iniciativa popular, o PL apresenta quatro pontos principais, são eles: proibição do financiamento de campanha por empresas e adoção do financiamento democrático de campanha; eleições proporcionais em dois turnos; paridade de gênero na lista pré-ordenada; e fortalecimento dos mecanismos da democracia direta com a participação da sociedade em decisões nacionais importantes.

Para o representante da CTB, Nivaldo Santana, ressaltou a importância de maior participação dos trabalhadores no legislativo. Ele lembrou que o financiamento empresarial de campanha é responsável pela diminuição da representação de trabalhadores no Parlamento. “Estamos empenhados em sustentar a bandeira da reforma política com propostas da coalizão. O Brasil precisa de mais democracia, equilíbrio e justiça”, disse o dirigente.

Sobre o financiamento de campanha, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcus Vinícius Furtado Coêlho, destacou que a doação de empresas é a correia de transmissão que passa da economia para a política. Segundo ele, na esfera política, cada participação deve ter direitos iguais, mas com a doação empresarial essa igualdade democrática desaparece.

“O financiamento empresarial está na raiz de muitos casos de corrupção que tem ocorrido no Brasil, no plano federal, estadual e municípios. A empresa que financia não faz doação, está fazendo investimento, porque quer ter retorno na forma de atuação regulatória do Estado ou nas licitações”, disse Marcus Vinicius.

Ele falou sobre a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra a doação empresarial nas campanhas eleitorais que a OAB apresentou no Supremo Tribunal Federal (STF) que já tem o voto favorável de seis ministros “porque viola os princípios democráticos”, explicou Marcus Vinicius.

O ex-deputado Aldo Arantes, representante da OAB na Coalizão, informou sobre o plano de mobilização da sociedade. Ele disse que será realizada uma semana de luta – de 22 a 29 de março – para conseguir um milhão e 500 mil assinaturas para o projeto de iniciativa popular e uma caminhada em Brasília para entrega das assinaturas. Ele pediu aos parlamentares que incentivem as entidades e setores da sociedade a fazerem manifestos em defesa do projeto.

A comissão especial para discutir o Projeto de Reforma Política Democrática também vai realizar audiência pública para ouvir a Coalizão e representantes de diversos segmentos da sociedade. A data ainda será definida.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha