Notícias

Campanha reivindicatória 2010

7 de março de 2010

Em assembleia realizada no dia 6 de março, em todo o estado, os professores da rede particular avaliaram a situação da campanha reivindicatória 2010 e decidiram ampliar a mobilização.

 

Em Belo Horizonte, uma nova assembleia foi marcada para o dia 20 de março, às 10 horas, quando a categoria decidirá sobre a realização de um dia de paralisação se não houver avanços nas negociações com o sindicato patronal. A assembleia estava agendada para ocorrer no Sinpro Cerp, mas foi alterada para o auditório do sindicato (Rua Jaime Gomes, 198 – bairro Floresta – BH). 

O presidente do Sinpro Minas, Gilson Reis (foto), destacou que a campanha não pode ficar só na luta pela manutenção da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). Segundo ele, é preciso avançar, principalmente no que diz respeito à saúde dos professores. “São urgentes as  iniciativas no sentido de pressionar os donos de escolas a reverterem seus lucros para a valorização dos professores e a melhoria da qualidade da educação”, afirma.

 

 A diretora do Sinpro Minas Celina Arêas também falou sobre a conjuntura desta campanha, lembrando que a maioria das conquistas dos professores foram obtidas com greves. “Em 2009, tivemos paralisações em diversas escolas com importantes vitórias”, disse.

  • Ouça a reportagem sobre a campanhaClique aqui para baixar o arquivo.

A avaliação geral é que a campanha reivindicatória 2010 ocorre num momento favorável, pois a economia dá sinais de crescimento, as escolas reajustaram suas mensalidades acima da inflação e, conforme pesquisa do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), 90% das categorias com data-base no último período tiveram aumento real. Reunião no dia 10/3 

A próxima reunião com o Sinep/MG (sindicato patronal) acontece em 10 de março, dia em que se encerra a prorrogação da data-base. O sindicato patronal que retroceder, retirando direitos como quinquênios e bolsas de estudo, entre outros. Enquanto as convenções não são fechadas, boa parte das escolas não estão aceitando o requerimento de bolsas de estudo distribuído pelo Sinpro Minas. 

 

DissídioO grande nó nas negociações é que, havendo dissídio, o processo corre o risco de não ser julgado devido à falta de comum acordo entre as partes para a instauração do processo. Para a diretora do Sinpro Minas Renata Aguiar, mesmo que alguns professores sintam-se acuados ou à espera de que o sindicato resolva tudo por eles, não há outra forma senão a mobilização da categoria.

 

O diretor do Sinpro Minas Heleno Soares propôs que na próxima assembleia cada professor traga cinco colegas. O diretor Aerton de Paulo incentivou os professores a discutirem a campanha em conversas nos intervalos das aulas, por e-mail, na página do Sinpro e, principalmente, nas assembleias que são os espaços de debate e fortalecimento da luta coletiva.

 

DenúnciasNa assembleia, em Belo Horizonte, vários professores também expuseram denúncias de situações inusitadas dentro das escolas, como a do professor que é obrigado a dar aula para uma turma com alunos de três níveis diferentes dentro da mesma classe. Outro absurdo é o caso de uma faculdade que passou alunos de um curso de Direito alterando suas notas, sem que o professor fornecesse as provas para a revisão. >> Clique aqui e acesse a pauta de reivindicações >> Clique aqui e acesse o Intervalo Especial

 

 
 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha