Notícias

Categoria mantém mobilização e denuncia assédio moral nas escolas

14 de maio de 2014

Em assembleia nesta terça-feira (13/5), na Associação Médica de Minas Gerais, professores de escolas particulares de Belo Horizonte e região reafirmaram a pauta de reivindicações da categoria e voltaram a recusar a proposta patronal, de reajuste de apenas 6,02% – o que representa 0,55% acima da inflação medida pelo INPC (5,62%).

Os professores reivindicam reajuste de 10%, entre outras propostas que valorizam a profissão docente, como a equiparação dos pisos da educação básica e o aumento do adicional extraclasse. A categoria também decidiu ampliar a mobilização e continuar as negociações com o patronal. O Sindicato entrou com protesto na Justiça do Trabalho para garantir a data-base por mais 30 dias.

“A convocação da paralisação foi importante para gerar um clima de debate sobre a campanha dentro das escolas”, avalia o presidente do Sinpro Minas, Gilson Reis. Segundo Reis, o nível de acirramento da campanha pode ser medido pelas represálias aos professores. Algumas escolas impedem a entrada do sindicato, assim como praticam ameaças veladas, na tentativa de coibir a organização dos professores para discutirem sobre suas próprias condições de trabalho.

Na assembleia, professores denunciaram a pressão e o assédio moral, praticados pelas direções, com o objetivo de desmobilizar a categoria. “Estamos, com nosso trabalho, subsidiando a ampliação da infraestrutura nas instituições de ensino”, criticou um docente. Gilson Reis ressaltou que o momento é favorável para que haja melhorias dos salários e condições de trabalho dos professores e apresentou dados do cenário econômico, entre eles a expansão do setor privado de ensino e da massa salarial dos trabalhadores, o aumento das mensalidades em até 12%, o aquecimento do mercado interno e a baixa taxa de desemprego do país. “As condições objetivas estão colocadas. Então os donos de escolas têm condições de atender as reivindicações apresentadas e valorizar a categoria”, afirmou.

Dados divulgados recentemente pelo jornal Valor Econômico confirmam essa expansão do setor privado. Nos últimos cinco anos, as escolas particulares ganharam 302 mil alunos por ano. No mesmo período, a participação do setor privado na educação básica passou de 13,9% para 17,2%. No ensino superior, o setor privado responde atualmente por 75% das matrículas, do total de sete milhões de alunos. Os números são de censos produzidos pelo Ministério da Educação.

Nota de apoio aos servidores públicos

O Sindicato dos Professores do Estado de Minas (Sinpro Minas) se solidariza com servidores públicos municipais de Belo Horizonte, que estão com suas atividades paralisadas desde o dia 6 de maio. A categoria reivindica 15% de reajuste salarial, aumento do vale-refeição para R$ 28, além de reivindicações específicas de cada área.

Aderiram ao movimento os profissionais da saúde, educação, administrações regionais, fiscalização e limpeza urbana. A Prefeitura de Belo Horizonte oferece reajuste salarial aos servidores municipais de apenas 5,56% (o que corresponde à inflação de 2013 – INPC), a partir de outubro, e um acréscimo de 5,88% no vale-alimentação, também a partir de outubro.

Os representantes dos servidores não aceitam essa proposta, pois a consideram muito distante da realidade, anunciada pela prefeitura, de valorização do funcionalismo municipal. O Sinpro considera que salário digno e melhores condições de trabalho são aspectos fundamentais para o desenvolvimento de qualquer atividade profissional e que esta luta é de todos os trabalhadores e cidadãos!

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha