Notícias

Centrais sindicais mobilizam trabalhadores por mínimo de R$580

17 de janeiro de 2011

As Centrais Sindicais CTB, CUT, CGTB, Força Sindical, Nova Central e UGT estão convocando os trabalhadores para uma Mobilização Nacional nesta terça-feira (18) pelo aumento do salário mínimo para R$580,00 e a manutenção da política de valorização iniciada no governo Lula.As mobilizações serão iniciadas amanhã no chamado Dia de Luta em Defesa do Salário Mínimo, em São Paulo, em frente à Receita Federal. Além da mobilização do dia 18, também será realizado um ato que voltará a incorporar os idosos nesta batalha. A mobilização foi nomeada como Dia do Aposentado e acontece no dia 24.

Os dirigentes decidiram também pedir uma audiência emergencial com a presidente da República, Dilma Rousseff, para retomar as negociações iniciadas com o governo no final do ano passado.

Além do aumento do mínimo, as Centrais unidas vão lutar pela correção da Tabela do Imposto de Renda, repondo a inflação de 2010, e pelo reajuste do salário dos aposentados que ganham acima do mínimo nos mesmos patamares de 2010, quando o governo deu um aumento que representou 80% do que foi dado ao piso.

Unidade e mobilizaçãoO presidente da CTB, Wagner Gomes, falou que “além do pedido de audiência com a presidente Dilma, temos que fazer mobilização e panfletagens nos estados já na semana que vem (esta semana). Vamos precisar mobilizar para aumentar esse valor, se não vai ficar em R$ 540”.

Os dirigentes sindicais complementam a ideia um do outro demonstrando unidade na ação. “Nós temos um acordo com o governo que pretende recuperar o salário mínimo gradativamente até 2023. Esta política estipulou uma base para o aumento, não um teto, que é a inflação e o PIB de dois anos antes. Para que a recuperação ocorra é necessário ter aumento real, senão estaremos criando um hiato neste processo que se mostrou extremamente benéfico para o país”, afirmou o presidente da CGTB, Antonio Neto.

O secretário geral da CUT, Quintino Severo, ressaltou que “a unidade e a mobilização da classe trabalhadora voltará a ter papel fundamental neste início de ano para garantir os avanços que dizem respeito a um projeto de desenvolvimento nacional, a um projeto de país”.

“O ideal é a gente insistir na negociação com o governo. Ganhar essa primeira batalha é fazer a Dilma nos receber. Ela nos recebendo, com certeza sai um acordo. Enquanto isso vamos fazer manifestações e entrar na Justiça pela correção da tabela do Imposto de Renda. ”, completou o presidente da Força Sindical e deputado federal, Paulo Pereira da Silva (Paulinho).

“Nós, as Centrais, estamos aqui novamente unidas para preparar essas mobilizações para que o Salário Mínimo seja aumentado para R$ 580”, disse o presidente da NCST-SP, Luiz Gonçalves (Luizinho).

O presidente da UGT, Ricardo Patah, disse que “não só repudia a não correção da tabela do IR como cobra do governo um plano para repor a defasagem acumulada desde 1995. Os trabalhadores e aposentados do INSS são os mais prejudicados, pois, com o reajuste do salário ou do benefício, passam a ter desconto maior ou deixam de ser isentos a partir deste mês”.

Maior conquista

Em documento conjunto aprovado após reunião das lideranças sindicais na terça-feira (11), em São Paulo, as Centrais lembram que a política de valorização do salário mínimo “é seguramente a maior conquista do governo Lula, beneficiando diretamente mais de 47 milhões de trabalhadores, aposentados e idosos com aumento real de 54,3%”.

“Afinal, foi este aumento do poder aquisitivo que vitaminou o mercado interno com o ciclo virtuoso do crescimento, o que permitiu ao país enfrentar os impactos negativos da crise externa com a alavancagem da produção e do consumo. Mais salário e mais emprego foi a resposta do país contra o círculo vicioso do receituário neoliberal, de privatização, arrocho e ‘ajuste fiscal’”, diz o texto das Centrais.

Durante a reunião os dirigentes sindicais argumentaram que a proposta apresentada pelo governo de R$540,00 para o reajuste do mínimo não repõe nem a inflação do período e coloca em risco os avanços conquistados no combate às desigualdades e na distribuição de renda.

As centrais sindicais unidas também definiram que ingressarão com ações na Justiça solicitando a correção da tabela do Imposto de Renda e a devolução das perdas acumuladas desde 1995, cuja defasagem de reajuste já ultrapassa 70%. A reivindicação das Centrais é que, no mínimo, a correção da tabela seja feita imediatamente com a inflação de 2010, evitando que os ganhos salariais conquistados no ano passado sejam corroídos pelo IR.

Fonte: Vermelho

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha