Notícias

Cinema e Tropicalismo

3 de novembro de 2011

Os cineclubes Joaquim Pedro de Andrade e Cineclube Uma Tela no meu bairro vão exibir, no mês de novembro, uma seleção especial de filmes tropicalistas. A Mostra Imersão Tropicalista será realizada em parceria com o Instituto Imersão Latina. Veja abaixo a programação.

 

A criatividade e o encontro de novas formas, revelou ao mundo o novo cinema que acontecia no Brasil, a partir da década de 1950, influenciando e sendo influenciado pelo movimento Tropicalista, que não restrito a música, rompeu as fronteiras tupiniquins. Inspirados em movimentos como o Neo-realismo e a Nouvelle Vague, com pouco orçamento, ideias na cabeça e câmeras na mão, jovens cineastas brasileiros mostraram a realidade, as mazelas, a pobreza e a fome do país.

 

Indo na contramão das produções caríssimas e do peleguismo das pornochanchadas,  o Cinema Novo e o Cinema Marginal, escancaravam a vida e a realidade, sem incentivos financeiros e sem importar com a censura. Os cineastas tropicalistas buscavam uma forma alternativa, na margem, criando uma nova estética para o cinema brasileiro.

 

Para a diretora de Cultura do Sinpro Minas, Tereza Avelar, a Mostra é importante para que os jovens conheçam e possam refletir sobre o cinema novo surgido no Brasil nos meados dos anos 50. “Ele significou naquele momento um rompimento com a produção cinematográfica que vinha sendo realizada e apontou para nossa realidade social brasileira. O cinema novo retratou mulheres que caminhavam em busca de uma saída para a vida, para o amor, mulheres que sonhavam com novos tempos além de todas as nossas mazelas sociais. O cinema novo veio para retratar nossas verdades e fazer o enfrentamento. E se hoje um cineasta se dispõe a retratar as dificuldades sociais atuais é sinal de que o cinema novo não aconteceu em vão”, analisa.

 

Segundo o organizador da Mostra Imersão Tropicalista e vice-presidente do Imel, Nelson Pombo Júnior, a Mostra apresenta alguns filmes significativos dos anos 1950-1970 e tenta expor toda a diversidade que foi este, às vezes, incompreendido período do cinema nacional. “Os filmes retratam os primórdios do cinema novo, a inventividade, a inquietância, a violência que não vem de forma gratuita, mas da necessidade estética de contrapor a toda falsidade, seja ela das grandes salas de cinema, da censura imposta pelo regime militar, da critica e até, porque não, do público brasileiro”, afirma.

 

 

 

 

Mostra Imersão Tropicalista – novembro 2011

 CINECLUBE JOAQUIM PEDRO DE ANDRADE  Rua Tupinambás, 179 – Centro – Lotação: 70 pessoas

 

Cineastas brasileiros refletem sobre a realidade social do país nas décadas de 1960 -1970.

 

01/11 – terça-feira – 19h – O Padre e a moça

Direção: Joaquim Pedro de Andrade 1965 – Drama – 90 min

Mariana é a única mulher bonita e jovem do lugar. Inconformada, não sabe bem o que quer, mas não quer morrer com a cidade, sem ter conhecido o que a vida tem de bom. Atraída por um padre, recém-chegado à cidade, vê nele a sua salvação.

 

  

08/11 – terça-feira – 19h – Porto das Caixas

Direção: Paulo Cesar Saraceni – 1962 – Drama – 80 min

Uma mulher quer matar o marido que a oprime, procura ajuda de seu amante, mas ele se nega a cometer o crime. A cidade onde moram revela a decadência: uma fábrica parada, um convento em ruínas, um vazio parque de diversões. Disposta a libertar-se desse meio, ela decide colocar seu plano em prática sozinha.

 

15/11 – terça-feira – 19h – Rio 40 graus

Direção: Nelson Pereira dos Santos – 1955 – Drama – 93 min

Década de 50, inspiração no neo-realismo italiano, esse filme reflete as bases do Cinema Novo, realizado nas ruas com cenários e diálogos naturais. O sufocante calor carioca representa o elo entre as histórias que se desenrolam num típico domingo.

 

 

22/11 – terça-feira – 19h – Matou a família e foi ao cinema

Direção: Júlio Bressanel – 1969 – Drama – 78min

Várias histórias sobre assassinatos intercalados nesse conhecido filme do Cinema Marginal. Entre as histórias, um rapaz de classe média baixa, no Rio de Janeiro,  mata os pais a navalhadas e vai ao cinema ver Perdidos de Amor.

 

 

29/11 – Terça-feira – 19h – O Bandido da Luz Vermelha

Direção: Rogério Sganzerla – 1968 – Drama – 92 min

 Assaltante misterioso usa técnicas extravagantes para roubar casas luxuosas de São Paulo. Apelidado “O Bandido da Luz Vermelha”, traz sempre uma lanterna vermelha e conversa longamente com suas vítimas. Esse filme se transformou num dos marcos do cinema marginal.

 

 

 

CINECLUBE UMA TELA NO MEU BAIRRORua Jaime Gomes, 198 – Floresta – Lotação: 70 pessoas 

03/11 – Quinta-feira – 18h – Terra em Transe

Direção: Glauber Rocha – 1967 – Drama – Brasil – 106 min

No fictício país Eldorado, o jornalista e poeta Paulo oscila entre diversas forças políticas em luta pelo poder: Porfírio Diaz, líder da direita, Dom Felipe Vieira, político populista e Julio Fuentes, dono de um império de comunicação. Paulo conclui que o povo de Eldorado precisa de um líder e Vieira tem os pré-requisitos para a missão.

 

 

 

10/11 – Quinta-feira – 18h – Cinco Vezes Favela

Direção: vários – 1962 – Drama – 92 min

 

1-      “Um favelado” (Marcos Farias): um favelado, desempregado e sem dinheiro, arquiteta um plano para ganhar dinheiro, mas é descoberto e preso pela polícia.

2-      “Zé da cachorra” (Miguel Borges): um latifundiário quer de volta suas terras, onde está instalada uma favela. Um favelado luta contra a passividade de uma comissão de moradores, que aceitam a situação.

3-      “Escola de Samba Alegria de Viver” (Carlos Diegues): um favelado, presidente do grêmio recreativo, divide-se entre lutar pela sua categoria ou aceitar as imposições comerciais do carnaval.

4-      “Couro de gato” (Joaquim Pedro de Andrade): moradores favelados caçam gatos a fim de usar seu couro para fabricar tamborins, que serão usados no carnaval.

 5- “Pedreira de São Diogo” (Leon Hirszman): em uma favela sobre uma pedreira, no Rio de Janeiro, operários incitam os moradores a iniciar um movimento de resistência para impedir um acidente fatal, ao perceberem o risco de desabamento dos barracos, em conseqüência de explosões de dinamite.

 

17/11 – Quinta-feira – 18h – Ganga Zumba

Direção: Carlos Diegues – 1964 – Drama – 92 min

O filme tem início num engenho de cana-de-açúcar, no nordeste, entre os séc. XVI e XVII. Inspirados pelo Quilombo dos Palmares, alguns escravos tramam a fuga para lá. Entre eles, o jovem Ganga Zumba, futuro líder daquela república revolucionária, a primeira de toda a América.

 

 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha