Notícias

Com exceções, mídia amplifica tese de que BC errou ao reduzir juro

2 de setembro de 2011

Colunistas de economia dos principais grupos de mídia do país defenderam a visão do mercado financeiro de que o Banco Central perdeu credibilidade ao baixar Selic pela primeira vez no governo Dilma. Mas nem todos se renderam a esse “pensamento único”.Da Redação da Agência Carta Maior

Com raras exceções, os principais colunistas econômicos da grande mídia amplificaram, nesta quinta-feira (1), a idéia de que o Banco Central (BC) cedeu à pressão política do Palácio do Planalto para reduzir a taxa Selic. A instituição anunciou na quarta-feira (31) o corte do juro básico da economia em meio ponto percentual, para 12%, pela primeira vez no governo Dilma. Apesar da queda, o país ainda possui uma das mais altas taxas do mundo.

Colunista do jornal O Globo, da TV Globo e da rádio CBN, a jornalista Míriam Leitão buscou no mercado financeiro a justificativa técnica para sustentar que a decisão do BC prejudica a economia brasileira.

“Economistas que fazem análises nos departamentos de bancos e consultorias previam manutenção da taxa, porque era a melhor coisa a se fazer diante do cenário internacional e da pressão da inflação ainda forte no Brasil”, escreveu em O Globo. “Todo mundo quer que os juros caiam, mas o problema é quando isso acontece quando não há condições técnicas e com tudo dizendo o contrário”.

Apresentador e colunista da rádio CBN, Carlos Alberto Sardenberg também criticou a decisão do BC. Em seu comentário desta quinta-feira na edição matutina do Jornal da CBN, ele defendeu a importância da convergência de opiniões entre a instituição e o mercado. “O sistema de metas de inflação aplicado no Brasil e em mais 150 países com bancos centrais independentes funciona com alguns rituais, e um deles é que deve haver convergência de opiniões entre o Banco Central e o chamado mercado”, afirmou.

Para Sardenberg, os sinais apontados pelo BC para reduzir a Selic – crise internacional e desaceleração da economia brasileira – não têm base na realidade. “A análise de que estamos na iminência de uma crise como a de 2008 só o BC está fazendo, e o Brasil está anunciando recorde no comércio externo”, contestou.

No jornal O Estado de S. Paulo, o colunista Celso Ming optou pela ironia. Disse que há sinais de que “o Banco Central se transformou num derivativo do Ministério da Fazenda – ou do Palácio do Planalto” e que “as autoridades da área monetária terão de correr atrás do prejuízo infligido a sua credibilidade”.

“Ao Banco Central não basta que seja autônomo; é preciso parecer. A maneira como conduziu a baixa de juros, decidida quarta-feira, não cuidou da preservação da credibilidade de uma instituição que precisa conduzir responsavelmente as expectativas dos agentes econômicos”, analisou Ming, que também criticou que o PIB seja uma variável a ser considerada na definição da Selic.

Em sua crítica à decisão do BC, a colunista Thais Herédia, do portal G1, das Organizações Globo, respaldou-se em comentário do banco Morgan Stanley: “dadas as condições atuais da economia brasileira, o corte (de 0,50pp) pode se provar antecipado. Os riscos inflacionários continuam altos no país e, a não ser que ocorra uma brusca deterioração na economia mundial, a inflação vai continuar elevada”.

No Jornal do SBT, Carlos Nascimento aventurou-se pelo universo econômico e também deixou seu recado: “Se espera que a decisão tenha sido tomada apenas do ponto de vista técnico, sem inteferência política do governo que vinha buzinando na orelha do Banco Central para baixar o juro. Não que a notícia não seja boa, porque é, mas, além de boa, tem que ser a decisão certa”.

Contra a correnteApesar das críticas ao Banco Central terem se espalhado na mídia, em artigos e reportagens, nem todos os colunistas engoliram a tese de que foi um equívoco reduzir os juros. Em seu blogue no portal do Estadão, José Paulo Kupfer publicou um texto chamado “Exageros”, em que compara a reação anti-BC ao furação Irene que atingiu os Estados Unidos.

“Quando veio a decisão de cortar – e de cortar forte em 0,5 ponto porcentual – a reação contrária que se seguiu à surpresa generalizada teve a força de um furacão. E de tal intensidade que, se fosse possível comparar, o Irene, diante dela, não passaria de uma brisa”, escreveu.

Por um lado, Kupfer diz que “a presidente Dilma Rousseff, com ela própria no comando da ação interventora, extinguiu a norma institucional vigente e atropelou sem cerimônia a autonomia informal do Banco Central, determinando que se decidisse o que foi decidido”.

Por outro, porém, contestou a tese de que a credibilidade do Banco Central na coordenação do sistema de metas de inflação e o próprio sistema de metas de inflação foi arruinada.

“Se a coordenação de expectativas do BC se limitasse às do mercado financeiro, não haveria dúvida de que este é um momento de ampla falta de sintonia. Mas, se tal coordenação deve englobar os outros segmentos da economia e, enfim, a sociedade em geral, a conversa da credibilidade precisa de qualificação e ir bem mais longe”, apontou.

Outro colunista que remou contra a corrente foi Fernando Canzian, em artigo publicado na versão eletrônica da Folha de S. Paulo, chamado “Brasil vira o jogo”. No texto, o jornalista afirma que não faltará capital externo ao Brasil mesmo com o recuo da Selic, pois “o mundo rico pratica hoje taxas de juro negativas ou próximas de zero”.

Canzian também não descarta a justificativa do BC de que “os riscos de inflação são cada vez menores diante do desaquecimento no mundo rico”. Sobre isso, ele diz: “É uma aposta, mas factível. Os países desenvolvidos devem comprar menos, diminuindo pressões sobre preços”.

 

 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha