Notícias

Conselho Universitário da UFSC aprova manifestação de rejeição ao Future-se

Documento afirma que contexto atual trouxe dúvidas sobre os benefícios do programa. Assembleia aberta à comunidade estava lotada na tarde desta terça.

Em reunião ampliada do Conselho Universitário (CUn) nesta terça-feira (3), foi decidido que a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não vai aderir ao programa “Future-se” do Ministério da Educação (MEC).

Ainda na segunda (2), uma assembleia geral convocada pelo CUn indicou pela rejeição para adesão ao programa. No entanto, esta segunda reunião definiu a retaliação ao programa.

Membros do CUn, de unidades acadêmicas, da diretoria de campi, de sindicatos, estudantes e funcionários fizeram pronunciamentos contra o Future-se nesta tarde no campus de Florianópolis. A reunião começou às 14h e as 18h10 iniciou a votação.

A manifestação institucional, aprovada por maioria, afirma que o contexto atual de medidas de bloqueio e cortes de verbas, além da “absoluta ausência de diálogo” trouxe incertezas quanto aos reais benefícios do Future-se e muitas dúvidas sobre os impactos acadêmicos que o programa pode trazer.

No documento, o CUn também “reitera sua exigência que o governo federal desbloqueie imediatamente os recursos” para as universidades federais. Além disso, afirma que a UFSC está à disposição para diálogo com o Ministério da Educação.

O Auditório Garapuvu estava lotado. A Administração Central encaminhou um comunicado aos diretores de unidades acadêmicas, estimulando a liberação dos funcionários e alunos a partir das 13h30.

Outras deliberações

Ainda na segunda, a universidade deliberou por emitir um posicionamento à UFFS, em nota oficial, contra a nomeação do o terceiro colocado dos votos para reitor da universidade. O professor Marcelo Recktenvald, de 44 anos, foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro na última quinta.

A assembleia de segunda aprovou ainda o estado de greve, mas sem ocupação dos prédios da UFSC.

O que é o Future-se?

O programa foi lançado em meados de julho. A proposta inicial prevê que as instituições poderão fazer parcerias público-privadas (PPP’s), ceder prédios, criar fundos com doações e até vender nomes de campi e edifícios, como em estádios, entre outros pontos. A adesão é voluntária, mas as universidades que aderirem ao programa terão que cumpri-lo integralmente – e serão cobradas se não implementarem pontos específicos.

O MEC afirma que o programa pode atrair cerca de R$ 100 bilhões às universidades. Segundo o ministério, os recursos virão da União, de fundos constitucionais, de leis de incentivos fiscais e depósitos à vista, de recursos da cultura e de fundos patrimoniais.

O lançamento ocorre em meio ao contingenciamento de verbas das universidades, anunciado no fim de abril pelo governo. De acordo com a associação que representa os reitores das universidades federais, a Andifes, a medida atinge de 15% a 54% dos recursos que podem ser cortados das universidades federais.

Fonte: G1

Leia a íntegra da moção do Conselho Universitário sobre o programa Future-se:

O Conselho Universitário da UFSC, reunido em sessão aberta, realizada em 3 de setembro de 2019, vem a público manifestar seu posicionamento de rejeição integral à proposta do Ministério da Educação, expressa no programa “Future-se”.

Essa decisão é resultado também do posicionamento de um conjunto de Unidades Acadêmicas, além das entidades representativas de docentes, servidores técnico-administrativos em Educação e de estudantes, que foi construída a partir da análise e discussões da minuta de PL disponibilizada pelo MEC. É resultado também da atividade de Grupo de Trabalho, a quem coube subsidiar as discussões e induzir debates e reflexões sobre a proposta do MEC.

Num contexto de medidas de bloqueio e drásticos cortes orçamentários ao qual estão submetidas as IFEs e da absoluta ausência de diálogo para a propositura desse Programa, a análise do PL trouxe muitas incertezas quanto aos reais benefícios em prol da manutenção financeira de todo o sistema universitário público e muitas dúvidas a respeito dos impactos acadêmicos que o Programa pode trazer às IFEs. O PL ignora ainda aspectos importantes, como:

Áreas acadêmicas sem conexão imediata com as necessidades do mercado;

O papel das unidades descentralizadas das IFEs e sua importância no desenvolvimento regional;

A alteração de leis que confrontam as políticas públicas de educação consolidadas;

A autonomia universitária prevista no Artigo 207 da Constituição Federal de 1988;

As iniciativas das IFEs na área de Internacionalização;

A inserção fundamental do SUS como único sistema presente nos hospitais universitários.

Através do posicionamento de rejeição do Programa Future-se reforçamos fortemente a defesa inarredável de princípios inegociáveis das Universidades Públicas Brasileiras:

– a plena autonomia constitucional, de gestão financeira, administrativa e pedagógica;

– o respeito à democracia interna das IFEs;

– a indissociabilidade do ensino, pesquisa e extensão;

– o financiamento do Sistema de Ensino Superior Público como dever do Estado;

– a garantia de Políticas estruturantes de apoio à permanência estudantil;

– a preservação das múltiplas vocações, da pluralidade acadêmica e da dimensão social das IFEs.

O Conselho Universitário, cumprindo sua função de instância máxima de deliberação da UFSC, reitera, por meio deste documento, sua exigência que o governo federal desbloqueie imediatamente os recursos orçamentários que as universidades têm direito. Com a presente decisão também reiteramos nossa permanente disposição ao diálogo com o MEC para o aperfeiçoamento das IFES.

Florianópolis, 03 de setembro de 2019.

Foto: Jair Quint

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha