Notícias

Consumo das famílias ajuda a manter resultado positivo do PIB

30 de novembro de 2012

A despesa de consumo das famílias registrou aumento de 0,9% no terceiro trimestre de 2012 na comparação com o segundo trimestre do ano e ajudou a manter o resultado positivo do Produto Interno Bruto (0,6%). Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, o aumento do consumo das famílias foi 3,4%, o 36º crescimento consecutivo, segundo o resultado das Contas Nacionais Trimestrais, divulgadas hoje (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a gerente de Contas Nacionais do IBGE,  Rebeca Palis, a continuidade do crescimento do emprego, da renda e dos incentivos do governo para consumo de bens duráveis foram os principais fatores que contribuíram para manter o aumento do item Consumo das Famílias. Ainda segundo Rebeca, os investimentos foram as atividades que mais impactaram negativamente o PIB ao caírem 2% em relação ao segundo trimestre e 5,6%  em relação ao terceiro trimestre do ano passado.

“Isso foi gerado pela continuidade da queda de produção interna de máquinas e equipamentos e também pela queda da importação de máquinas e equipamentos. Os investimentos são o componente mais volátil do PIB e muito afetados pela conjuntura nacional e internacional”, explicou Rebeca.

A despesa de consumo do governo não subiu em relação ao segundo trimestre e se manteve em 0,1%.  Já a formação bruta de capital fixo teve a quinta queda consecutiva nesta base de comparação (- 0,2%).

O crescimento da indústria, de 1,1%, foi puxado pela indústria de transformação – que tem peso de 53% do total da indústria e cresceu 1,5%; e pela construção civil que aumentou 0,3%. Entretanto, na comparação interanual a indústria continua em queda (-0,9%), principalmente devido ao baixo desempenho de produção de máquinas e equipamentos, material eletrônico e equipamentos de comunicação, artigos de vestuário e calçados e veículos automotores.

Ainda segundo o IBGE, a estagnação do setor de serviços no terceiro trimestre do ano, na comparação com o segundo, foi influenciada principalmente pela queda de 1,3% na atividade de intermediação financeira, previdência complementar e serviços relativos. Esta foi a primeira queda neste tipo de comparação desde o terceiro trimestre de 2004 (-0,7%) e, segundo Rebeca, foi influenciada pelo aumento da inadimplência. Na comparação com igual período de 2011, a intermediação financeira caiu 1%. Essa atividade tem peso de 7,5% no PIB brasileiro e de 11% no setor de serviços e impactou negativamente o resultado do terceiro trimestre de 2012.

No setor externo, as exportações de bens e serviços subiram 2% e as importações caíram 6,5%. O PIB brasileiro teve o menor desempenho entre os países do Brics, grupo das economias em desenvolvimento, na comparação interanual entre os terceiros trimestres. A China continua em primeiro lugar com PIB de 7,4%, seguido da Índia (5,3%), Rússia (2,9%) e África do Sul (2,3%).

Fonte: Agência Brasil

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha