Notícias

Contee repudia material da Estácio que ameaça professores

Chegou ao conhecimento da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino — Contee um material divulgado pela Estácio no dia 9 de outubro apontando supostos nove benefícios pelos quais os estudantes devem optar uma faculdade privada, em detrimento de uma instituição pública. Não se trata, contudo, de apresentar a educação privada como uma opção democrática, alternativa que, de fato, ela nunca representou na história brasileira, uma vez que, na realidade, o setor privado sempre disputou — e ainda disputa – espaço e verbas com o projeto de fortalecimento da educação pública e gratuita. Pelo contrário, o que a pretensa lista de razões apresentada pela Estácio faz é reforçar essa situação de rivalidade, tentando desqualificar o ensino público.

Duas questões, no entanto, chamam ainda mais a atenção no rol de falsos motivos, porque deixam evidente a desvalorização profissional do magistério e o desprezo pela luta dessa categoria enquanto pertencente à classe trabalhadora. Num dos itens elencados, a Estácio aponta que “As faculdades privadas recrutam seus professores considerando a sua experiência e desempenho em sala de aula. Ou seja, os profissionais devem ser bem capacitados, demonstrando que têm habilidades suficientes para oferecer uma abordagem pedagógica diferenciada e atrativa. Caso contrário, facilmente a direção da instituição pode desligá-lo do corpo docente”. Além de deixar implícita a despreocupação com a formação docente, o texto também faz uma ameaça de demissão nada velada aos professores, colocando-os à mercê de critérios que nada têm a ver com a qualidade do ensino, mas com os interesses financeiros da empresa e a transformação de educação em mercadoria.

Em outro ponto, o material diz que “Em uma faculdade privada, não existe o risco de greves ou paralisações, o que possibilita que os alunos se formem no período previsto. Nas instituições públicas, por outro lado, os estudantes ficam mais incertos de quando receberão os diplomas”. Mais uma vez, tem-se uma distorção dos direitos dos professores e demais trabalhadores da educação, e uma advertência a quem ousar se mobilizar, ferindo a liberdade de organização e manifestação.

A Contee repudia as ameaças da Estácio, umas da principais beneficiadas pelo processo de financeirização da educação superior no Brasil — incluindo a recente medida que aumentou para 40% a carga horária na modalidade à distância (EaD) — e responsável pela demissão de milhares de docentes nos últimos anos. A desvalorização dos trabalhadores em educação é, simultaneamente, um nos mecanismos e um dos sintomas da mercantilização do ensino, contra a qual a Confederação luta diariamente. Nossa entidade é defensora da educação pública, gratuita, democrática, inclusiva e de qualidade socialmente referenciada, bem como da regulamentação do ensino privado, com o devido respeito aos seus professores e técnicos administrativos.

Brasília, 16 de dezembro de 2019.
Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino — Contee

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha