Notícias

Crime ambiental denuncia o fracasso das privatizações

28 de janeiro de 2019

“O lucro não pode ser mais importante do que a vida das pessoas e as riquezas naturais do nosso país”, afirmou a deputada federal Erika Kokay sobre o rompimento da barragem em Brumadinho

O crime ambiental, social e humano da Vale do Rio Doce em Brumadinho, com a ruptura da barragem de rejeitos de mineração na região metropolitana de Belo Horizonte nesta sexta-feira (25), é mais uma comprovação de que as privatizações conduzidas pelo governo federal não têm se revertido em benefício da população e, pelo contrário, trazem prejuízos sociais e ambientais difíceis de serem reparados, como tem demonstrado o passivo deixado pela barragem do Fundão, em Mariana, que se rompeu em 2015. “O rompimento das barragens de Mariana e Brumadinho são a demonstração do fracasso das privatizações. O lucro não pode ser mais importante do que a vida das pessoas e as riquezas naturais do nosso país”, afirmou nas redes sociais a deputada federal Erika Kokay (PT-DF), destacando o problema.

A Companhia Vale do Rio Doce foi privatizada em maio de 1997 durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, cuja gestão foi marcada pela predominância de valores neoliberais, como a defesa das privatizações, mas talvez com menos intensidade do que nos dias atuais. 

Mas longe de encarar o problema da responsabilidade do Estado pelas atividades que envolvem riscos ambientais, o governo, desde o impeachment de Dilma Rousseff, defende posições que querem reduzir a tramitação de licenças ambientais, para “destravar” empreendimentos, permitindo maior agilidade na busca de lucro por essas empresas. Essa é a bandeira do ministro do Meio Ambiente de Bolsonaro, Ricardo Salles, já condenado pela justiça de São Paulo por atuar em favor das empresas, até mesmo atropelando regras.

Neste sábado (26), o governo Bolsonaro publicou decreto que institui o Conselho Ministerial de Supervisão de Respostas a Desastre coordenado pelo Ministro da Casa Civil. Segundo disse o presidente Jair Bolsonaro em sua conta no Twitter, “a finalidade é acompanhar e fiscalizar as atividades a serem desenvolvidas em decorrência do desastre…”

Desastre? Classificar o fato em Brumadinho como “desastre” mostra a escolha de uma definição para mascarar a realidade, é o que tem defendido as vozes do campo progressista neste sábado. “O que aconteceu em Brumadinho e em Mariana não são acidentes, são crimes!! Tragédias ambientais se repetem e o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Ricardo Salles chamam o ministério do Meio Ambiente de ‘mera indústria de multas’. Quanto vale a vida e todo esse sofrimento?”, indagou a deputada Erika Kokay, ampliando o coro do campo progressista de que Brumadinho, como Mariana, não foi um acidente, mas um crime promovido pela ausência do Estado e pelo abuso empresarial em uma área estratégica para a segurança da população.

Fonte: Rede Brasil Atual
Foto: Mídia Ninja

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha