Notícias

CTB: Manifesto do Dia 20 de novembro

20 de novembro de 2008

A CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), central sindical classista, fundada em abril de 2007, consciente da importância do fortalecimento dos movimentos sociais para o desenvolvimento da luta emancipatória da classe trabalhadora; consciente de que os trabalhadores se organizam nos sindicatos, movimentos populares, igrejas, comunidades, partidos, etc; consciente do papel fundamental da luta contra o racismo para construção do socialismo, vem a público no dia 20 de novembro manifestar apoio as bandeiras de luta do movimento negro brasileiro e se colocar como um instrumento de combate ao racismo.Dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, está na agenda cívica nacional, nele rememoramos a batalha de Palmares e a histórica luta da população negra contra a escravidão, contra o racismo e contra as assimetrias política, social e econômica que privilegia os brancos – especialmente os que lucram com a exploração dos trabalhadores. Há 313 anos da morte de Zumbi e da destruição de uma da mais bela experiência libertária de nossa história, após 120 anos da abolição da escravidão no Brasil, a contradição trabalho & apropriação dos resultados do trabalho mantém-se intacta.O capitalismo explora impiedosamente os trabalhadores – classe social que se encontra a maioria dos negros e negras – e, tal qual os senhores de engenhos, a burguesia se apropria gananciosamente das riquezas produzidas pelos braços dos trabalhadores negros.O compromisso da CTB com a valorização do trabalho exige que denunciemos que as elites nacionais, contando com a contribuição do Estado, durante 508 anos empreenderam um processo de exploração e racismo sobre a população negra. Fato gerador de desigualdade entre negro e brancos, por isso a média de rendimento do trabalho principal é R$ 590,00 para os brancos e R$ 276,00 para os negros, ou seja, os negros recebem 53% do rendimento dos brancos. Com quatro anos de estudos os brancos recebem em média R$ 618,00 e os negros R$ 433,00. Com quinze anos de estudos os brancos recebem em média R$ 2.601,00 e os negros R$ 1.790,00. Ainda que tenha a qualificação semelhante e ocupem a mesma função os negros têm rendimento inferior em todas as faixas de estudos, sem contar com o recorte de gênero, pois a mulher negra acumula maior desvantagem salarial. Através do trabalho se constroem e mantém a iniqüidade das desigualdades socioeconômicas entre negros e brancos. No Brasil elas são acentuadíssimas: até 2005, 46,3% dos negros estavam vivendo abaixo da linha de pobreza, enquanto os brancos eram 22,9%.A CTB compreende que a emancipação da classe trabalhadora e a construção da verdadeira democracia no Brasil serão impossíveis sob a égide do capitalismo e do racismo; que o neoliberalismo carrega uma mensagem racista, pois produz crises econômicas, que conseqüentemente, afloram nacionalismos xenófobos e várias formas de intolerâncias, impactando com maior perversidade sobre as populações vítimas do flagelo da violência racial. Por isso chamamos toda população e movimento negro para somar-se a luta unitária contra a opressão capitalista e contra os entulhos racistas que persistem em nossa sociedade.É importante destacar que o período atual se constitui no de maior aprofundamento da democracia no Brasil, com a ascensão de forças progressistas no poder sob a liderança de Luis Inácio Lula da Silva, permitindo importantes avanços da intervenção governamental na promoção da igualdade racial. Há, também, uma onda progressista na  América Latina, com um índio governando a Bolívia, um afro-indígena governando a Venezuela e forças antiimperialistas governando o Paraguai, Nicarágua, Uruguai, Equador, Argentina, dentre outros países; a vitória de Barack Obama nos Estados Unidos contribui, também, com a composição de um cenário político positivo para o combate ao racismo. Estamos num momento favorável para influenciar governos, propor, construir convencimentos e consensos, para implementação de medidas contra o racismo e contra toda forma de opressão.Apoiamos as bandeiras históricas do movimento negro e propomos:     * Unidade entre o movimento sindical e movimento negro na construção de uma agenda de luta;     * Isonomia salarial: salários iguais para funções iguais;     * Fim da exigência de boa aparência e de foto no currículo para contratação;     * Medidas contra a não contratação de negros no setor bancário, no comercio, dentre outros;     * Obrigatoriedade da inclusão de medidas anti-discriminatórias nas convenções coletivas.  Secretaria Nacional de Combate ao Racismo

Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha