Notícias

CTB Minas denuncia lockout: "O objetivo é desestabilizar os servidores”

Em nota, a CTB Minas explica o que está por trás do da “manifestação” dos prefeitos mineiros que farão, nesta terça (21) ponto facultativo em oito municípios da região Central do estado. Segundo a nota, o ato é em “apoio político ao candidato ao governo de Minas, Anastasia”.

“Este ato dos prefeitos configura, na verdade, a prática de lockout, que é quando o empregador impede os seus trabalhadores, total ou parcialmente de trabalhar, com o objetivo de desestabilizar emocionalmente esses servidores. Isto sem falar no enorme prejuízo para a população, que fica sem atendimento administrativo, na saúde e na educação”, alertou a nota.

Ação popular proposta por Daiana de Souza e apoiada pela vereadora Rosemary Mafra (PCdoB/MG), foi acatada pela Justiça que suspendeu (Leia decisão: Decisao.pdf) a paralisação no munícipio de Governador Valadares.

Leia íntegra da nota:

CTB DENUNCIA LOCKOUT DOS PREFEITOS MINEIROS

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – Minas Gerais manifesta, a partir da presente nota, seu total repúdio pela “manifestação” dos prefeitos mineiros que deram ponto facultativo nesta terça-feira (21), em oito municípios da região central de Minas, em meio à crise política e financeira, de apoio político ao candidato dos golpistas ao governo de Minas, Anastasia.

Este ato dos prefeitos configura, na verdade, a prática de lockout, que é quando o empregador impede os seus trabalhadores, total ou parcialmente de trabalhar, com o objetivo de desestabilizar emocionalmente esses servidores. Isto sem falar no enorme prejuízo para a população, que fica sem atendimento administrativo, na saúde e na educação.

É bom lembrar que a maioria dos prefeitos não fez nada quando, em 2016, o governo golpista de Temer e seus deputados aprovaram a Emenda Constitucional 95, que congelou por 20 anos os investimentos públicos em saúde, educação e assistência social. Também se omitiram quando perdemos os recursos dos royalties do Pré-Sal.

Em setembro de 2013, a então presidenta Dilma Rousseff assinou a lei que destinaria a maior parte dos recursos dos royalties do pré-sal à educação, num período em que a economia brasileira ainda vivia um momento de otimismo. A lei tinha determinado que 75% dos royalties do petróleo e 50% do Fundo Social do Pré-Sal seriam destinados à educação. Também seriam destinados 25% para a saúde. O que então fizeram os prefeitos para impedir que os deputados votassem a favor desse congelamento absurdo por 20 anos sem investimento nessas áreas prioritárias para a população? O que fizeram os prefeitos em defesa da educação e saúde públicas? E o que fizeram esses mesmos prefeitos, especificamente, em defesa do SUS e da Farmácia Popular?                                                  

Em torno de 78% da população depende diretamente do Sistema Único de Saúde (SUS), que completa 30 anos. Hoje, por conta dos cortes da EC 95, o investimento público nesta área chegou ao menor nível e corremos o risco de paralisação do SUS. Uma estimativa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) aponta que o país pode perder, nesses 20 anos de congelamento, um total de R$ 745 bilhões em recursos para o setor.  Se o SUS deixar de existir, a saúde deixará de ser um direito para ser mercadoria apenas para quem pode pagar. Qual é a real preocupação dos prefeitos em relação a isso?                   

O que fizeram esses mesmos prefeitos em defesa do Programa Farmácia Popular? Este programa extinto pelo desgoverno Temer foi criado no governo Lula, em 2004, e possibilitava que 20 milhões de brasileiros/as recebessem medicamentos todo mês gratuitamente. Sem este programa a população mais pobre é quem fica prejudicada. E qual a atitude desses prefeitos em relação a isso?

Por fim, como resposta a estas questões, o que tem ocorrido é que os servidores públicos que paralisaram e saíram às ruas em defesa do que muitos prefeitos dizem defender hoje, tiveram cortes de ponto, sofreram ameaças e demissões. E então, qual o sentido do lockout, da paralisação dos prefeitos? Estão mesmo preocupados com a saúde, educação, políticas públicas e com os seus servidores? A resposta é óbvia: não! Por isso o repúdio da CTB a este lockout e o apoio de muitos prefeitos ao candidato Anastasia, que representa o retrocesso vivido hoje no país.

CTB Minas

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha