Notícias

Defender os direitos trabalhistas também é defender a educação

8 de novembro de 2017

Presidenta do Sinpro Minas, Valéria Morato, fala sobre o Dia Nacional de Mobilização e explica como a reforma trabalhista, a lei da terceirização e a reforma previdenciária vão afetar a qualidade da educação no país.

A Lei da reforma trabalhista, sancionada em julho deste ano pelo governo de Michel Temer, entrará em vigor neste sábado, dia 11 de novembro. A reforma representa um forte ataque aos direitos trabalhistas conquistados historicamente, uma reforma decidida de cima para baixo e sem diálogo com a população.

Como forma de alertar a sociedade para o golpe que está sendo dado contra a classe trabalhadora e, mais uma vez, protestar contra a precarização do trabalho que será promovida pelas leis da terceirização geral e da reforma trabalhista, o Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais, junto com várias centrais sindicais e movimentos sociais, participa do Dia Nacional de Mobilização nesta sexta-feira, 10 de novembro. Um dia também para denunciar o trabalho escravo e o desmonte da Previdência social.

De acordo com a presidenta do Sinpro Minas e da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB Minas), Valéria Morato, é preciso protestar contra esta Reforma que coloca fim a mais de 100 artigos da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas). A reforma trabalhista e a terceirização também trazem retrocessos à categoria docente. Com a liberação do trabalho intermitente, por exemplo, o/a professor/a receberá apenas pelas aulas que ministrar, perdendo final de semana, feriado, extraclasse e descanso semanal remunerado. Mudanças que aprofundam a precarização do trabalho em educação, que já tem uma trajetória de luta por mais valorização. “Essa retirada de direitos impacta diretamente a condição do/a professor/a em sala de aula e da educação no país”, afirma Valéria.

Para falar sobre o Dia Nacional de Mobilização e principalmente sobre como a reforma trabalhista, a lei da terceirização e a reforma previdenciária vão afetar a qualidade da educação no Brasil, Valéria Morato estará disponível para atender a imprensa, nesta quinta-feira, dia 09 de novembro, das 10h às 12h, na sede do Sinpro Minas.

Serviço: 

Valéria Morato, presidenta do Sinpro Minas e da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), fala sobre como as reformas vão afetar a qualidade da educação

Dia: 09 de novembro, quinta-feira

Local: Sinpro Minas | Rua Jaime Gomes, 198, Floresta

Contatos: (31) 3115 – 3038 ou 3115-3029

reforma trabalhista

Alguns dos direitos afetados com a reforma trabalhista:

1- A reforma trabalhista trouxe a força do negociado sobre o legislado. Na prática, isso quer dizer que o patrão negociará direto com o trabalhador. E essa negociação valerá mais do que as próprias leis trabalhistas. Qual empregado terá força para rejeitar as propostas do patrão, principalmente diante de um quadro de grande desemprego?

2- A reforma trabalhista traz a individualização da negociação trabalhista. Esta proposta criará mecanismos para individualizar cada vez mais a relação de trabalho, reduzindo assim a força de pressão dos trabalhadores. Prevê a sobreposição dos acordos coletivos em relação às convenções. Ou seja, o acordo fechado entre o sindicato e cada escola em separado, no lugar de fechar para toda a categoria.

3 -A reforma trabalhista dificulta o acesso à Justiça do Trabalho. A proposta é acabar com essa garantia. Primeiro, dificulta todo o processo, limitando o acesso à justiça gratuita. O trabalhador terá que pagar os honorários de peritos mesmo se demonstrar não ter recursos. Além disso, a proposta facilita a prescrição do processo. Depois, limita os poderes do juiz do Trabalho em exigir, por exemplo, indenizações por danos morais.

4- A reforma trabalhista permite à empresa criar o padrão de vestimenta do funcionário. O patrão poderá definir o que o trabalhador pode e deve vestir. Não é preciso muito para visualizar como essa regra será utilizada como assédio moral e atuará, de forma machista, contra as mulheres.

5- A reforma trabalhista coloca fim à ultratividade do acordo ou convenção coletiva. Atualmente, quando se encerra o prazo de um acordo coletivo, ele permanece válido até a assinatura de um novo acordo. Isso é o princípio da ultratividade. A proposta é encerrar os efeitos ao fim do prazo, independentemente da assinatura do novo acordo coletivo. O espaço entre os acordos poderá significar perdas para os trabalhadores e um instrumento de pressão dos patrões para a assinatura de acordos piores.

6- A reforma trabalhista enfraquece a organização sindical. Ela ataca a representação sindical nos locais de trabalho, retira a obrigatoriedade de homologação das rescisões, mais grave, autoriza demissões em massa sem a necessidade de negociação coletiva, hoje exigida por jurisprudência.

7- A reforma trabalhista legitima a desastrosa Lei da Terceirização que agora permite liberar a contratação de prestadores de serviços para qualquer atividade da empresa. As prometidas “salvaguardas” aos trabalhadores, que corrigiriam os “excessos” da lei aprovada, são limitadas a exigir condições de transporte e alimentação iguais aos terceirizados e a impor uma quarentena de 18 meses para recontratação de um trabalhador direto como terceirizado. Esta reforma é escravização da sua mão de obra.

8- As novas leis trabalhistas institucionalizam o teletrabalho, que é a prestação de serviços, realizada a maior parte do tempo fora das dependências do empregador. Um trabalho feito por meio de tecnologias de informação e de comunicação e assim é definido por tarefas, sem controle de jornada de trabalho e permitindo ajuste individual contratual. Esta reforma é escravização da mão de obra.

9 – As novas leis trabalhistas permitem que as empresas dividam as férias do trabalhador em três períodos. Por esta divisão, um dos períodos não poderá ter menos que 14 dias corridos e os outros dois períodos não podem ser inferiores a cinco dias seguidos, cada um. Tentam divulgar a mudança de uma forma que pareça um ganho para o trabalhador. Férias de poucos dias não favorece o descanso merecido e necessário para o trabalhador. E, ao longo dos anos, poderá afetar a sua saúde.

10 – A reforma trabalhista coloca fim na responsabilidade dos tomadores de serviços. A empresa que contratar a prestação de serviço de outra, ou seja, fizer uso da terceirização, não terá qualquer responsabilidade em relação à garantia de direitos dos trabalhadores dessa empresa contratada. É o mesmo que “lavar as mãos”. A empresa terá a seguinte postura: “eles trabalham para mim, mas não são meus funcionários. O problema não é meu”. Não sendo também responsável pelos terceirizados, favorece a contratação indireta de trabalhadores superexplorados ou mesmo em condições de escravidão.

11- A reforma trabalhista autoriza empresas a colocarem mulheres grávidas e lactantes em ambientes insalubres, hoje expressamente proibido. Não há a menor preocupação com a saúde da mulher e da criança. A única possibilidade da grávida sair desta violência será um atestado médico, que pode ser dado pelo próprio médico da empresa. Uma mudança criminosa que demarca o poder patriarcal e o machismo que imperam no Brasil. Após anos de luta pelos direitos das mulheres, um retrocesso desumano.

12- A terceirização acontece quando uma empresa contrata outra empresa para cuidar de uma tarefa, em vez de ter funcionários próprios para isso. Antes da nova lei, a empresa podia terceirizar apenas os serviços que não eram atividade principal da empresa. Por exemplo, uma escola podia terceirizar serviço de limpeza e segurança, mas não podia terceirizar professor. Agora pode! Assim, como um hospital pode terceirizar os médicos e uma fábrica terceirizar todas as funções. Além da terceirização, agora todo trabalhador pode também ser contratado por um determinado período: o chamado trabalho intermitente. O que significa o fim das garantias trabalhistas.

13- Com a lei da terceirização, uma empresa, ao invés de contratar funcionários, pode contratar outra empresa para cuidar de qualquer uma das suas atividades. Antes da nova lei, a empresa podia terceirizar apenas os serviços que não eram atividade principal da empresa. De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), os salários do terceirizados são, em média, 25% mais baixos do que os dos trabalhadores contratados diretamente. Além disso, a carga horária semanal é de três horas a mais e o número de acidentes de trabalho é maior em relação aos funcionários diretos.

14- A reforma trabalhista trouxe a Regulamentação do trabalho intermitente. Isso dá o direito ao patrão de contratar funcionários por horas de trabalho, sem garantias. Ou seja, no período de inatividade, o trabalhador não será remunerado, ficando à espera de ser chamado pelo patrão.Na prática, uma escola poderá contratar um professor para trabalhar apenas no período letivo. Assim, o professor perde as férias, feriados e finais de semana. E ao mesmo tempo não pode assumir outro trabalho quando estiver aguardando, pois pode ser chamado a qualquer hora. E se não puder assumir, pagará multa para o patrão. Isso é exploração da mão-de-obra.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha