Notícias

Desemprego no país sobe para 12,7% e atinge 13,4 milhões de pessoas

30 de abril de 2019

Da redação do Uol

O desemprego no país foi de 12,7%, em média, no trimestre encerrado em março, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O índice subiu em relação ao trimestre anterior, de outubro a dezembro (11,6%). Na comparação com o primeiro trimestre do ano passado (13,1%), o resultado apresentou baixa.

Segundo o IBGE, o número de desempregados no Brasil foi de 13,4 milhões de pessoas. Isso representa alta de 10,2% em relação ao trimestre anterior (12,2 milhões). Na comparação com o mesmo período de 2018, a variação não foi estatisticamente significativa (13,6 milhões).

Os dados divulgados pelo IBGE fazem parte da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua. A pesquisa não usa só os trimestres tradicionais, mas períodos móveis (como fevereiro, março e abril; março, abril e maio etc.).

Informalidade

O total de pessoas ocupadas no país (91,9 milhões) caiu 0,9% em relação ao trimestre de outubro a dezembro e cresceu 1,8% em relação ao primeiro trimestre de 2018. O número de empregados do setor privado sem carteira assinada ficou em 11,1 milhões, o que representa uma queda de 3,2% em relação ao trimestre anterior.

Na comparação com o mesmo trimestre de 2018, houve alta de 4,4%. A categoria dos trabalhadores por conta própria ficou estável em relação ao trimestre anterior e cresceu 3,8% em relação ao mesmo trimestre do ano passado, alcançando 23,8 milhões de pessoas.

Vagas com carteira e rendimento

O número de empregados no setor privado com carteira assinada (32,9 milhões) ficou estável em ambas as comparações. O rendimento médio do trabalhador também ficou estável, a R$ 2.179.

Desalento

Segundo o IBGE, o país tinha 4,8 milhões de pessoas desalentadas (que desistiram de procurar emprego) no trimestre encerrado em março, uma alta de 3,9% em relação ao trimestre encerrado em dezembro e de 5,6% na comparação com o mesmo trimestre de 2018.

O percentual de pessoas desalentadas (4,4%) manteve o recorde da série e não teve variação significativa nas duas comparações.

A população desalentada é definida como aquela que estava fora da força de trabalho por uma das seguintes razões: não conseguia trabalho; não tinha experiência; era muito jovem ou idosa; ou não encontrou trabalho na localidade –e que, se tivesse conseguido trabalho, estaria disponível para assumir a vaga.

Desemprego em 2018

O desemprego deu uma trégua no Brasil e fechou 2018 em queda, algo que não acontecia havia três anos. No ano passado, a taxa média de desocupação foi de 12,3%, queda de 0,4 ponto percentual em relação à de 2017 (12,7%).

Metodologia da pesquisa

A Pnad Contínua é realizada em 211.344 casas em cerca de 3.500 municípios. O IBGE considera desempregado quem não tem trabalho e procurou algum nos 30 dias anteriores à semana em que os dados foram coletados.

Existem outros números sobre desemprego, apresentados pelo Ministério da Economia, com base no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Os dados são mais restritos porque consideram apenas os empregos com carteira assinada.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha