Notícias

Diretora do Sinpro recebe Prêmio Zumbi de Cultura

21 de novembro de 2019

A engenheira florestal, professora universitária e diretora do Sindicato dos Professores de Minas Gerais (Sinpro Minas), Ângela Maria da Silva Gomes, é uma das homenageadas pelo  X Prêmio Zumbi de Cultura, promovido pela Cia Baobá Minas. A premiação foi feita no dia 20 de novembro, em Belo Horizonte, durante celebração ao Dia Nacional da Consciência Negra.

O Prêmio Zumbi de Cultura tem a finalidade de homenagear pessoas que se destacam nos campos das artes, política e cultura negra, em Minas e no Brasil. Pensar a ocupação cultural, o fazer artístico, a correspondência entre os artistas na busca de ações que contemplem o fortalecimento, a reflexão e a visibilidade da cultura afrobrasileira. A premiação é distribuída anualmente nas  categorias: dança, teatro, música, religiosidade, literatura, educação, manifestação cultural, personalidade negra, menção honrosa, protagonismo juvenil e atuação política..]

Angela Gomes

Ângela Gomes, que recebeu o prêmio de Personalidade Negra, é doutora em Etnobotânica Negro Africana pela UFMG e mestre em Controle de Contaminação Ambiental pela Universidade Politécnica de Madri, na Espanha. A professora é também coordenadora nacional do Movimento Negro Unificado de Formação Política e diretora do Sinpro Minas. Foi consultora da ONU na Guatemala, trabalhando com mulheres refugiadas indígenas Maya, foi representante das mulheres socialistas na comunidade europeia, é membro do coletivo feminista – Emakume Internacionalista da Espanha e tem quatro livros publicados. Uma Ecofeminista negra, que denunciou o trabalho escravo em monoculturas de eucalipto, em Minas Gerais nos anos 90 e, hoje, dedica a luta contra o racismo ambiental e em defesa do uso tradicional da biodiversidade e do legado ecoafricano e feminino presente nos terreiros de candomblé, nos quintais quilombolas e urbanos, de vilas e favelas. “Lembro que comecei a fazer uma tese sobre as plantas sagradas de origem africana, e fui entrevistar o babalorisá Henrique de Oxalá. Ele começou a falar a utilidade e o orixá de cada planta. Em um momento, parou e me disse “Para nós que somos do Candomblé, todas as plantas são sagradas”. Quando mostrei para a minha mãe carnal esta fala, que abria minha tese, ela começou a chorar e disse que a sua avó falava a mesma coisa. A avó dela já havia morrido há mais de 70 anos e não tinha conhecido meu pai de santo, nem era do candomblé. Era da tradição da vida! Assim, nascia para mim outra ciência e a ela dedico meu prêmio. Uma ciência que tem por princípio a ideia de que o cientista deve ser responsável pela ciência que produz. Sei que existe a engenharia da guerra, e eu escolhi a engenharia da vida. A engenharia de matriz africana”, diz Ângela Gomes.

A Cia Baobá Minas, que promove a premiação,  existe  há 20 anos na cidade, com objetivo de valorização da cultura afro brasileira e difusão. Através da sua fundadora, Júnia Bertolino que é jornalista, antropóloga, arte educadora, produtora cultural, Idealizadora do Prêmio Zumbi de Cultura e Diretora da Cia Baobá Minas, traz o Prêmio Zumbi de Cultura que completa 10 anos e homenageou mais de 100 pessoas entres mestres populares, artistas e grupos culturais.

Foto capa: Renca Produções 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha