Notícias

Diva Guimarães emociona plateia da Flip 2017

2 de agosto de 2017

A professora Diva Guimarães emocionou o público e o ator Lázaro Ramos, na sexta-feira (28), na 15ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), no litoral sul fluminense. Na mesa “A Pele que Habito”, depois das falas do ator baiano e da jornalista portuguesa, Joana Gorjão Henriques, a professora paranaense, de 77 anos, contou a sua história.

Neta de escravos, Guimarães diz que, além de ser levada a um internato de freiras aos 5 anos, as crianças eram colocadas para trabalhar e que as freiras contavam histórias racistas para elas, chamando os negros e negras de “preguiçosos” e de “inferiores”.

Visivelmente emocionado, Lázaro Ramos fez uma defesa enfática da educação pública. “A gente precisa fazer um pacto de investir em educação pública de qualidade. Não podem sucatear a educação brasileira. A educação pública tem que ser valorizada, o professor tem que ser valorizado”. O público respondeu gritando “Fora Temer”.

 

Assista a história de Diva Guimarães

Circula também pela internet uma petição da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq). A campanha “O Brasil é Quilombola, Nenhum Quilombo a Menos!”, foi lançada na sexta.

O abaixo-assinado pede ao Supremo Tribunal Federal (STF) que reconheça a constitucionalidade do Decreto 4.887/2003 assegurando os direitos das comunidades quilombolas.

Veja o vídeo da campanha O Brasil é Quilombola, Nenhum Quilombo a Menos!

 

Isso porque o STF deve julgar na quarta-feira (16) a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), impetrada pelo Democratas em 2004.

De acordo com a Conaq, a votação se arrasta desde 2012. Dois ministros já votaram. César Peluso, que era relator da ADI, e já não se encontra mais no STF, votou a favor da ação, enquanto Rosa Weber votou pela constitucionalidade do decreto, mas apenas para as comunidades na posse de seus territórios em 5 de outubro de 1988, teriam direito à titulação.

Assine e defenda os direitos quilombolas:

https://peticoes.socioambiental.org/nenhum-quilombo-a-menoshttps://peticoes.socioambiental.org/nenhum-quilombo-a-menos

“Parece que este país está andando para trás em todas as áreas. Impossível retirar os remanescentes quilombolas de suas terras. Seria a morte dessas populações que cuidam das terras e as protegem da degradação”, afirma Mônica Custódio, secretária da Igualdade Racial da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

Ela insiste na importância de assinar essa petição para “impedir mais essa agressão aos direitos dos povos originários, além de forte ameaça às nossas florestas e riquezas do nosso subsolo, sempre usurpadas por países imperialistas”.

Fonte: Portal CTB

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha