Notícias

Documento final de conferência sobre educação servirá de base para políticas públicas

29 de abril de 2008

Após cinco dias de discussões em cinco plenárias e 34 colóquios, os delegados e observadores da 1ª Conferência Nacional da Educação Básica (Coneb) encerraram no dia 18/04 o texto do documento final. Com cerca de 5 mil propostas sobre diversos temas ligados à qualidade da educação, o relatório servirá de base para a formulação das próximas políticas públicas da área e deve ficar pronto em um mês.

“As propostas aprovadas vão servir de referência para as políticas públicas tanto pelo ente federado, como pelos estaduais, municipais e a sociedade”, explicou Francisco Chagas, coordenador-geral da Coneb.

Para Chagas, o resultado dos cinco dias de debates foi positivo. “Não só pela participação de cerca de 2 mil pessoas, mas pelo conteúdo do debate, as propostas aprovadas e a ênfase na discussão. Nós avançamos em relação a conceituar o que seria um sistema nacional articulado de educação”, acredita.

A criação de um sistema nacional de educação foi um dos cinco eixos que norteou os trabalhos da Coneb. Os outros foram a democratização da gestão, a construção de um regime de colaboração entre os sistemas de ensino por meio do financiamento, a inclusão e a diversidade na educação básica e a formação e a valorização profissional.

Durante toda a manhã os delegados discutiram e votaram os pontos que compõem cada um dos eixos. De acordo com o José Thadeu de Almeida, secretário da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee) e um dos coordenadores da mesa final, as propostas foram aprovadas sem grandes divergências.

“Esse texto vem sendo construído da base, dos estados. Como houve um amplo debate nos colóquios e nos eixos, as propostas já estavam bem amadurecidas, poucas não foram praticamente consenso”, avaliou.

Almeida destacou as discussões relativas ao financiamento da educação e à diversidade como as mais relevantes do evento. “Votamos em unanimidade pelo fim da DRU [Desvinculação de Receitas da União] e o comprometimento de 10% do PIB [em investimentos para o setor]”. Inicialmente não está prevista nenhuma aplicação prática do documento no que diz respeito a mudanças nas legislação. Mas Almeida não descarta a possibilidade do relatório final resultar em projetos de lei.

“Os diferente segmentos que estão aqui, principalmente movimentos sindicais e sociais, vão usufruir desse documento no sentido de transformá-lo em um instrumento político que venha a ter concretude. Seja pressionando o Ministério da Educação, seja levando ao Legislativo para transformar algumas dessas propostas em projeto de lei”, apontou. Segundo Chagas, ainda em 2009 deverão acontecer novas conferências municipais e estaduais para que em 2010 possa ser realizada mais uma Coneb. “Essa conferência indicou um caminho em relação à continuidade do processo”, afirmou.

Fonte: Agência Brasil

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha