Notícias

Em assembleia histórica, categoria rejeita proposta patronal e marca nova paralisação para terça-feira (5/9)

30 de agosto de 2023

Em assembleia histórica e lotada, nesta quarta-feira, professores de escolas particulares de Belo Horizonte e região (cidades de abrangência da CCT/MG) rejeitaram por unanimidade a proposta patronal para a campanha reivindicatória deste ano e declararam estado de greve.

A categoria marcou uma nova assembleia com paralisação das atividades na próxima terça-feira (5/9), às 17 horas, no pátio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (Rua Rodrigues Caldas, 30, bairro Santo Agostinho).

Nesse mesmo dia, os professores farão um protesto na porta do Sinepe/MG, o sindicato que representa os donos de escolas (Rua Araguari, 644, Barro Preto), às 14 horas, horário que antecede mais uma rodada de negociação das comissões, marcada para às 15h.

A assembleia de terça será realizada com indicativo de greve. Os professores decidiram que podem paralisar as atividades por tempo indeterminado, caso o patronal não recue na tentativa de retirar direitos da categoria.

O número de professores na assembleia desta quarta-feira foi tão grande que foi preciso abrir um novo auditório para comportar todo mundo. Docentes de mais de 30 instituições de ensino da capital e de outras cidades da região paralisaram as atividades e participaram da assembleia.

Em mesa de negociação e audiências de conciliação, os donos de escolas insistem em alterar de forma prejudicial cláusulas históricas da categoria, como o adicional por tempo de serviço, o recesso escolar e a isonomia salarial. Para piorar a proposta, eles também defendem a mudança no período das férias coletivas dos docentes.

“Foi uma assembleia histórica, emocionante, em que os professores mais uma vez participaram de forma expressiva, mesmo com toda a pressão que sempre há no interior das escolas. A categoria está indignada com tamanha falta de respeito de desvalorização, e o recado foi muito claro e objetivo: não aceitaremos retrocessos. Nenhum direito a menos! Exigimos valorização profissional! Vamos aumentar ainda mais nossa mobilização e ecoar por todos os cantos esse sonoro não dito aqui nesta linda assembleia”, ressaltou a presidenta do Sinpro Minas, Valéria Morato.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha