Notícias

Em quase três anos, Ânima demite 399 professores

24 de agosto de 2011

Um levantamento feito pelo Sinpro Minas aponta que o grupo educacional Ânima, que administra os centros universitários Uni-BH e UNA, em Belo Horizonte, demitiu, desde 2009, 399 docentes. Boa parte dos dispensados tinha mestrado ou doutorado, além de anos de trabalho nas instituições de ensino.

Para o sindicato, as demissões revelam claramente a prática do grupo de demitir professores mais qualificados e experientes, com o objetivo de reduzir custos e mercantilizar a educação. De acordo com Gilson Reis (foto), presidente do Sinpro Minas, tal prática traz graves prejuízos para a qualidade do ensino e cria um clima de apreensão e insatisfação entre os professores.

“Também têm sido recorrente, em nome do lucro, a adoção de métodos de gestão corporativa, inclusive na área acadêmica, e a precarização do projeto pedagógico, com extinção de cursos e pesquisas, padronização de currículos, redução da carga horária de disciplinas e de atividades de extensão, entre outras medidas tomadas pelo grupo que afetam diretamente a qualidade da educação”, denuncia Gilson Reis. 

Ele destaca que o sindicato recebe, com frequência, denúncias de precarização das condições de trabalho e de irregularidades trabalhistas em ambas as instituições administradas pelo Ânima em Minas. “Essas denúncias colocam em suspeição o anúncio, feito por uma multinacional, de que a UNA está entre as melhores empresas para trabalhar no Brasil. Com certeza, essa não é uma realidade para os docentes”. 

Para barrar o processo de mercantilização do setor em Minas e defender os interesses dos professores do Uni-BH, o sindicato entrou com ação na Justiça, em 2009, contra a venda da instituição de ensino para o grupo. A decisão em primeira instância foi favorável à anulação do negócio.

A sentença confirma a tese de que a negociação foi ilegal, pois a venda só poderia ter ocorrido com prévia autorização judicial, o que não aconteceu. Além disso, a instituição de ensino só pode ser repassada para outra fundação com os mesmos fins educacionais, e não para o grupo empresarial, que é uma S/A.

“O Sinpro Minas repudia as demissões e reafirma que continuará atento quanto às decisões do Ânima. Não vamos medir esforços para defender os direitos e conquistas da categoria e lutar contra a mercantilização do ensino”, destacou Gilson Reis. 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha