Notícias

Emprego cresceu mais entre as mulheres em 2010, aponta estudo

12 de maio de 2011

Um estudo divulgado pelo Ministério do Trabalho aponta que em 2010, o percentual de mulheres que ingressaram no mercado de trabalho foi maior do que o de homens. No ano passado, a alta foi de 7,28% para elas, enquanto eles representaram um crescimento de 6,7%.

Apesar disto, os homens ainda são maioria. Enquanto o número de trabalhadores passou de 24,13 milhões, em 2009, para 25,75 milhões no ano passado, o de trabalhadoras foi de 17,01 milhões para 18,31 milhões.

Os homens também continuam a receber os maiores salários. A remuneração média deles é de R$ 1.876,58, já a delas fica em R$ 1.553,44. A diferença é de mais de R$ 300.

Os dados constam da Rais (Relação Anual de Informações Sociais), um retrato ampliado do emprego formal. Divulgada anualmente pelo governo, inclui servidores públicos, trabalhadores temporários e avulsos e ainda informações residuais das empresas, além dos dados de carteira assinada do Caged. O relatório detalha o número de empregos gerados por sexo, idade e região do país.

O Norte e o Nordeste foram as regiões do país que mais criaram empregos. O Nordeste teve um crescimento de 7,93% postos de trabalho, e o Norte apresentou uma alta de 9,9%. De acordo com o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, esses números podem ser creditados à construção das usinas Jirau e Santo Antônio. Ele disse ainda que construção da usina de Belo Monte vai gerar duas vezes mais postos de trabalho.

“Com a construção de Belo Monte [os empregos] devem crescer ainda mais nos próximos quatro ou cinco anos. Isso porque quando algum setor cresce, vários outros crescem junto, como alimentação, construção civil e serviços”, disse.

O ministro destacou ainda que o crescimento no número de empregos na faixa etária de 50 a 64 anos e acima dos 65 anos. A criação de postos de trabalho para essas idades teve aumento de 10,28% e 12,77%, respectivamente.

“Existe uma demanda por mão de obra com experiência, por isso o crescimento no numero de empregos na faixa de 50 a 64 anos. As empresas estão preferindo contratar trabalhadores com mais experiência, portanto, os mais velhos”, destacou.

Levantamento feito pela Folha com dados do IBGE mostram que o crescimento desta faixa de idade acontece desde 2003. Há oito anos, a faixa representava 16,7% da força de trabalho. O percentual subiu para 21,8% na média do primeiro trimestre de 2011. O Brasil bateu recorde na criação de emprego formal em 2010, com a geração de 2,861 milhões de vagas. O maior número apurado até hoje tinha sido em 2007, com a criação de 1,617 milhão de empregos. O crescimento na relação 2009/2010 foi de 6,94%, de acordo com dados da Rais.

O número de trabalhadores formais no Brasil chegou a 44,068 milhões e, como reforçou Lupi, esse dado é recorde no Brasil. Com o acréscimo dos aposentados e pensionistas, o montante atinge 66,747 milhões. “Todos os números de 2010 são recordes, e os de 2011 também serão recordes. Em 2011, chegaremos a 3 milhões de empregos formais”, disse o ministro.

A Rais traz também o número de empregos gerados durante os dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo os dados, foram criados 15,384 milhões de postos formais de trabalho de 2003 a 2010.

Fonte: CTB, com informações das agências

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha