Notícias

Empresários responderão por contaminação de coronavírus nas escolas

1 de março de 2021

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee) e suas entidades filiadas, legítimas representantes legais da categoria, vão processar criminalmente os estabelecimentos de ensino privado que retomaram suas atividades na forma presencial, convocando compulsoriamente seus funcionários durante o pleno e incontrolável recrudescimento da pandemia da covid19, que dissemina novas cepas e variantes desse invisível e letal vírus e já contaminou mais de 10 milhões e ceifou a vida de mais de 250 mil brasileiras e brasileiros.

O sistema de saúde do Brasil está à beira do colapso generalizado. A pandemia está em ascensão e os leitos hospitalares sobrecarregados. Diante da omissão criminosa do Governo Federal, governadores e prefeitos tentam adotar medidas mais restritivas, enquanto buscam alternativas para ampliar a assistência médica, inclusive adotando lockdowns (bloqueio total de circulação de pessoas ou confinamento) de diferentes formatos para conter o avanço da pandemia.

Quatro ex-ministros da saúde unificaram suas vozes em defesa da preservação física, mental e do bem-estar da população brasileira. Os ex-ministros José Serra (Governo Fernando Henrique Cardoso), José Gomes Temporão (Governo Lula), Alexandre Padilha (Governo Dilma Rousseff) e Luiz Henrique Mandetta (Governo Jair Bolsonaro) defendem a necessidade de medidas de distanciamento social e fechamento de  estabelecimentos comerciais, ao menos nas próximas semanas, para evitar um aumento descontrolado no número de internações e óbitos. Da mesma forma, condenam o presidente Jair Bolsonaro e o atual ocupante do Ministério da Saúde, general Eduardo Pazuello, pelos desmandos do Palácio do Planalto e falhas na logística da campanha de vacinação.

Ante esse quadro, a conduta dos empresários da educação, convocando compulsoriamente seus trabalhadores, inclusive os que integram grupos de risco e/ou se enquadram naqueles com comorbidades, é de incomensurável insensatez, para não dizer suicida. Os fins econômicos que almejam colocam em risco de contaminação e de óbito os trabalhadores do ensino, estudantes e familiares.

Essa atitude empresarial afronta direitos constitucionais, como a dignidade da pessoa humana; os valores sociais do trabalho; o bem de todos; a garantia de redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança; a garantia de seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador; a valorização do trabalho humano como fundamento da ordem econômica; a função social da propriedade; o primado do trabalho, o bem-estar e a justiça sociais; a saúde como direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação. Afronta, igualmente, a Convenção 155 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), ratificada pelo Brasil, que trata de segurança e saúde dos trabalhadores.

Eventual contaminação dos trabalhadores em estabelecimentos de ensino da rede privada que foram convocados para cumprir tarefas de forma presencial nas dependências de seus empregadores, afetando a sua incolumidade física e mental, será de inteira responsabilidade dos empresários, que responderão por todas as consequências que dela ocorrer, quer materiais, quer imateriais, em consonância com o que estipula o Art. 7º, inciso XXVIII, da Constituição Federal (Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: XXVIII – seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização a que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa).

Em caso de eventual dano à incolumidade física e mental dos trabalhadores, estará patente o dolo da conduta dos empresários, posto que, com a convocação para o trabalho presencial, assumem o risco de produzi-lo.

A Contee reitera seu posicionamento, alinhado com os dados científicos e as recomendações dos profissionais de saúde, de que ainda não é possível um retorno seguro às aulas presenciais.

Em defesa da vida, vacinação para todos!
Brasília, 1º de março de 2021
Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino – Contee
 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha