Notícias

Enem: “Estudantes podem mobilizar o MP para pedir reparação”

5 de fevereiro de 2020

Embora STJ tenha ‘encerrado’ a judicialização dos exames, especialistas entendem que uma avaliação externa traria mais transparência

A decisão do Supremo Tribunal de Justiça de derrubar a liminar que suspendia a divulgação dos resultados do Sisu, no dia 28 de janeiro, deu encaminhamento ao imbróglio do Enem, mas o caso pode não ter sido resolvido por completo. Especialistas entendem que a medida ainda não é capaz de trazer a segurança esperada ao processo, além de suspeitar que estudantes podem, de fato, ter sido prejudicados com a falha.

No dia 24 de janeiro, alegando falta de transparência no processo, a Justiça Federal de São Paulo acatou ação movida pela Defensoria Pública da União (DPU) e solicitou, via liminar, a suspensão dos resultados do Sisu, até que o governo pudesse comprovar que os erros nas correções do Enem tivessem sido totalmente solucionados. O governo, no entanto, recorreu da medida, via Advocacia Geral da União (AGU), e teve o pedido atendido pelo presidente do STJ, o ministro João Otávio Noronha. Anteriormente, a mesma solicitação havia sido recusada pela desembargadora Therezinha Cazerta, presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3).

Na decisão, o presidente do STJ afirma que “faltou diálogo” entre as partes (DPU, MEC e Inep) e que “ao analisar, brevemente, a documentação ora apresentada e as alegações do autor da ação originária considerando os contra-argumentos da União, vê-se que nada de errado ou lesivo aos estudantes que se supõe tenha ocorrido, de fato, ocorreu”.

O doutor em direito do Estado e professor da Universidade Federal do ABC (UFABC), Salomão Ximenes, questiona o encaminhamento dado pelo STJ, ao defender a via preventiva proposta pela DPU. “Acho que a suspensão da liminar não traz a segurança jurídica esperada ao processo, pelo contrário, vejo uma insegurança ainda maior quando o Judiciário toma como verdadeiros os argumentos produzidos por uma das partes da judicialização, no caso MEC e Inep”, aponta.

Ximenes defende que a melhor alternativa teria sido a de constituir uma perícia independente para avaliar a base de dados do Enem e então garantir que os processos decorrentes, como Sisu, Prouni e Fies, ocorram sem problemas. “Não questiono a seriedade dos técnicos do Inep, mas quando se tem um questionamento judicial contra o governo, é preciso seguir o caminho de maior transparência”, assegura.

Embora seja difícil reverter a decisão do STJ, vista a complexidade de se rever os calendários e do Enem e das seleções que levam em conta seus resultados, Ximenes entende que a discussão não se encerra. “Os estudantes que eventualmente tenham sido prejudicados nesse processo continuarão tendo seu direito subjetivo, individual e coletivo garantido. Eles podem mobilizar as defensorias ou o ministério público para pedir reparação”, assegura.

Então, alunos podem ter sido prejudicados?

O professor da Faculdade de Educação da USP, Ocimar Alavarse, não descarta essa hipótese. Para a tese, Alavarse considera a informação divulgada pela reportagem da Folha de S. Paulo, no dia 29 de janeiro: de que o Inep teria pulado uma etapa importante ao reavaliar as notas erradas do Enem, decorrentes de uma confusão feita entre o caderno de respostas do estudante e o gabarito utilizado como base. Segundo o Inep, o erro teria impactado a nota de 5.974 estudantes.

Servidores do MEC e técnicos do Inep declararam à reportagem, em condição de anonimato, que o Inep reavaliou o desempenho de cada estudante, mas que, ao obter as novas notas, não recalculou os parâmetros que atribuem peso diferente às questões da prova. Esse processo seria mais demorado e impactaria o calendário do Sisu, motivo pelo qual o governo teria desistido de fazê-lo. A partir disso, as fontes ouvidas pela reportagem afirmaram que não é possível ter 100% de confiança nos novos resultados divulgados.

Desde 2009, o Enem usa como metodologia a Teoria de Resposta ao Item (TRI), que atribui pesos diferentes a cada questão do exame. A calibragem das questões funciona da seguinte forma: quanto mais alunos acertam uma determinada pergunta, menor peso ela terá na prova, porque seu grau de dificuldade é supostamente menor. O método é feito antes da prova, a partir de uma população teste que, estatisticamente, corresponde à população real que fará o exame. A questão é que o Inep indicou em nota técnica anexada ao processo encaminhado pela AGU ao STJ, que algumas questões do exame não foram pré-testadas, e que tiveram a calibragem feita nos dois dias da prova, com uma amostra que já considerou estudantes com gabaritos trocados. O Inep afirmou na nota técnica que foram identificados na amostragem 83 erros na área de Ciências da Natureza e 105 em Matemática.

“O caldo disso é que eu posso ter produzido itens com parâmetros de dificuldade mais fáceis ou mais difíceis diferentes daqueles já parametrizados com a população teste inicial. E aí você vai me perguntar: mas o erro não pode ser pequeno? Pode, mas a questão é que muitos cursos no Sisu são disputados por frações de pontuação. Essa pequena diferença pode ter influenciado a estimativa dos alunos e, portanto, ter favorecido ou prejudicado alguém”, explica Alavarse.

“Vale lembrar que o Enem não considera só o número de acerto de cada estudante. Há uma proficiência medida em cada questão e que me permite estimar o nível de conhecimento do meu candidato. Por isso, as notas não são exatas, mas colocadas em uma escala variável de zero a mil”, complementa.

Ainda assim, o especialista afirma que o que está em jogo não é a metodologia do exame, “de muito bom senso, por sinal”. Alavarse soma à defesa de uma comissão externa para fazer uma auditoria do processo. “A estimativa das proficiências dos alunos pode conter erro que compromete o processo de seleção do Sisu e, se existe essa hipótese, ela precisa ser testada.”

Mais do que os erros identificados durante o exame, Alavarse condena a forma como o governo lidou com o assunto até então. “Os problemas estão sendo encaminhados como se eles em si mesmo fossem uma acusação contra o governo Bolsonaro”, declarou o especialista, fazendo menção às atitudes do ministro da educação Abraham Weintraub, que chegou a acusar os alunos que reclamavam da correção do Enem de serem de “partidos radicais de esquerda”. O Inep recebeu cerca de 720 mil reclamações que contestavam a correção das provas. “Essas atitudes não ajudam em nada a resolução dos problemas”, assegura.

Fonte: Rede Brasil Atual

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha