Notícias

Enem: Governo pediu para trocar o termo ‘ditadura’ por ‘regime militar’

23 de fevereiro de 2021

Por Carta Capital 
O Conselho criado pelo governo federal para inspecionar questões do Exame Nacional do Ensino Médio aconselhou que uma questão de Linguagens, Códigos e suas tecnologia substituísse o termo ‘ditadura’ por ‘regime militar’.

O caso ocorreu na prova de 2019, mas só foi revelado no último dia 5, com o envio de pareceres da comissão pelo Ministério da Educação à Câmara dos Deputados,

Um dos documentos, divulgado pelo jornal O Globo nesta quinta-feira 11, não mostra a íntegra das questões barradas, apenas os motivos pelos quais foram desaconselhadas pelo grupo. No total, o Conselho “desaconselhou” o uso de 66 questões na prova.

Os inspetores receberam um carimbo com “sim/não” para marcar itens aprovados ou barrados. O número de itens analisados foi mantido em sigilo.

Os motivos de reprovação foram detalhados somente agora, um ano depois, em resposta a um requerimento de informação feito pelos deputados Felipe Rigoni (PSB-ES), Tabata Amaral (PDT-SP), Professor Israel (PV-DF), Eduardo Bismarck (PDT-CE), Luisa Canzi (PTB-PR), Aliel Machado (PSB-PR), Tiago Mitraud (NOVO-MG), e o ex-deputado João Campos (PSB-PE).

Censura ideológica 
Além de pedir para substituir o que foi a ditadura no Brasil, a comissão afirmou que uma das questões “fere sentimento religioso/ ofensiva à força policial baiana”.
Já um item teve seu texto considerado descontextualizado historicamente e com “distorção do papel da mulher”. Outras foram apontadas pelo grupo como responsáveis por gerar “polêmicas desnecessárias”.
Na área de matemática e suas tecnologias, em que quatro exercícios foram citados, um dos itens “proibidos” foi apontado como responsável por gerar “polêmica desnecessária em relação à ideia de casal”.

A comissão considerou ainda que outra questão da área gerava “polêmica desnecessária a favor da não redução da maioridade penal”.
Promessa de campanha
A mudança nas questões do Enem foi uma promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro. A Comissão de verificação dos itens do exame foi criada em março de 2019, durante a gestão do ex-ministro da Educação Ricardo Vélez Rodrigues.

Na época, nota técnica do Inep destacava que o objetivo do grupo, que tinha caráter “consultivo” e era composto de três pessoas, seria “identificar abordagens controversas com teor ofensivo a segmentos e grupos sociais, símbolos, tradições e costumes nacionais.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha