Notícias

‘Ensino híbrido’: as dificuldades para o aprendizado

10 de março de 2021

Professores descrevem obstáculos para dar atenção a dois grupos diferentes ao mesmo tempo, mas veem oportunidade no futuro para aluno ter papel mais ativo, criativo e autônomo.

Por Luiza Tenente, G1

Depois de um ano de escolas fechadas, redes públicas e privadas vêm adotando um modelo de reabertura gradual. Chamado de “híbrido”, é um revezamento de alunos no ensino presencial, para diminuir o número de pessoas nas salas de aula e garantir o distanciamento social na pandemia.

Em um mesmo dia, parte da turma assiste à aula em casa, enquanto o restante vai ao colégio.

Professores e estudantes relatam, no entanto, que juntar as modalidades on-line e presencial compromete a aprendizagem e sobrecarrega ainda mais os docentes. Segundo especialistas ouvidos pelo G1, nem sequer é correto definir o sistema como “híbrido”, já que não há mudanças nas propostas pedagógicas (entenda mais abaixo).

O modelo implementado de atender dois grupos ao mesmo tempo exige equipamentos tecnológicos nas escolas e nas casas dos alunos. “Não é a nossa realidade, muito menos em escolas públicas”, afirma Ana Ligia Scachetti, gerente pedagógica da Nova Escola, organização de educação.

“Poderíamos pensar em outras opções: metade dos alunos fazendo atividades, enquanto os outros estão com o professor, por exemplo. Depois, trocam. Ou até mesmo um rodízio de professores – um sempre com a turma presencial, outro com a que está à distância. Mas, claro, isso exigiria dividir as classes e repensar os tempos de aula.”

Sara Aragão, de 16 anos, segue o esquema de rodízio e vai uma vez por semana a um colégio particular de São Caetano, na Grande São Paulo. Nos demais dias, acompanha a aula pela internet, em casa.

“O professor dá mais atenção para quem está no presencial, porque não tem jeito, não tem microfone móvel nem sistema de câmera que capte a lousa. Os colegas que vão à escola tiram foto do quadro e mandam para a turma”, diz.
“Primeiro, ele [o docente] explica para quem está lá na sala; depois, fala tudo de novo, mais baixinho e perto do computador, para quem está on-line. Ou seja, a gente fica só com metade do tempo de aula.”

A mesma dificuldade é relatada pelos próprios professores. Na região serrana do Rio de Janeiro, Nícolas Tadashi dá aulas de português em três escolas.

“Estamos patinando. São dois lugares onde os alunos estão – nas telas do computador, com câmera desligada, perguntando só pelo chat; e ali na nossa frente, na sala. Ter dois focos de atenção demanda muito da gente”, conta.
O que seria, afinal, o ensino híbrido?

Educadores afirmam que não é correto chamar de “híbrido” este sistema de rodízio.

“A ideia de ter um professor com parte da turma na sala e outra parte em casa faz com que a gente perca todas as qualidades do ensino on-line e todas do presencial”, explicou Lucia Dellagnelo, diretora-presidente do Centro de Inovação para Educação Brasileira (Cieb), durante evento virtual da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), em fevereiro.

“O verdadeiro ensino híbrido requer planejamento próprio; não é só misturar o presencial e o on-line. Se não mexer na proposta pedagógica, no espaço de aprendizagem e na autonomia do aluno, será só a mesma modalidade de sempre.”
Gregório Grisa, doutor em educação e professor do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), concorda que é preciso usar o ambiente virtual e o presencial de forma que sejam complementares. “No momento, a gente não vive nada disso. São tentativas emergenciais de rodízio, já que estamos no maior pico da pandemia até hoje.”

O que precisaria ser feito, na prática, para que tivéssemos o ensino híbrido na escola? O mais importante é que o professor crie espaços em que o aluno pense em soluções e colabore com os colegas.

É o que explica Adolfo Tanzi, doutor em linguística aplicada e um dos autores do livro “Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação”. “Não é mais uma aula expositiva, com um professor lá na frente da sala, passando os conhecimentos. O aluno precisa ter um papel mais ativo, para que seja criativo e tenha mais autonomia”, diz.

Veja, em tópicos, as características do ensino híbrido mencionadas por Tanzi:

– O “design pedagógico” não é mais aquela configuração à qual estamos acostumados, com carteiras enfileiradas. A aula fica mais descentralizada, com diversos espaços de aprendizagem, onde o aluno deve ter autonomia – laboratórios, cantos diferentes da sala, cantina, parquinho, casa dos alunos…

– Há momentos em que o professor conduzirá a atividade, e outros em que o aluno terá de solucionar os problemas sozinho ou em grupos.

– Uma das propostas é criar “estações de trabalho”. A turma pode ser dividida em pequenas equipes, cada uma com uma atividade diferente.

Por exemplo: todas as crianças leem o mesmo texto em casa. Depois, na aula, um grupo vai preparar uma cartolina com palavras-chave; outro vai assistir a um vídeo no tablet; um terceiro irá montar um jogo baseado na leitura.

– Outra possibilidade é a chamada “sala de aula invertida” – em casa ou na biblioteca, o aluno lê sobre o assunto da aula e vê vídeos antes que ela ocorra. Depois, quando estiver com o professor, vai discutir, tirar dúvidas e fazer outras atividades. Não parte “do zero”.

– O uso da tecnologia fica integrado à aula presencial. Vai além de passar para um slide o que está escrito na lousa. Podem ser usados games, ferramentas digitais de pesquisa, gravação de vídeos ou chats on-line, por exemplo.

Dellagnelo faz uma observação: o ensino híbrido não é um formato restrito à pandemia. Pode ser aplicado mesmo quando as aulas forem 100% presenciais.

Vantagens:

– A aula “descentralizada” possibilita que os alunos aprendam de formas diferentes e troquem conhecimentos entre si.
– As crianças e jovens passam a ter mais autonomia, em vez de apenas “receberem” passivamente os ensinamentos.
– O professor pode acompanhar o desempenho de cada aluno de forma mais próxima. Naquele modelo de carteiras enfileiradas, só na hora da prova que o docente saberá se aquele aluno do “fundão” entendeu a matéria.
– Durante a pandemia, podem ser formados diferentes grupos nos ambientes virtuais, cada um com uma tarefa. O professor conseguirá transitar por todos e acompanhar o andamento das atividades.
– Se parte da sala estiver em casa, e parte na escola, é possível criar dinâmicas que integrem os dois grupos. Quem está na escola fica responsável por elaborar cartazes, enquanto os alunos on-line produzem uma “nuvem de palavras” com os termos principais da matéria. Depois de 20 minutos, todos apresentam seus trabalhos.
– Se os estudantes não tiverem sinal de internet para assistir a vídeos, podem receber fotos do que foi feito na sala, para continuarem a atividade em casa. Cada um fica responsável por uma etapa.
– O sistema híbrido pode ser um caminho para o ensino integral, sem a necessidade de ter as crianças na escola durante dois turnos, caso não seja possível ainda (por custos ou falta de estrutura). Nos espaços de inovação e nas casas dos alunos, passa a ser viável dar continuidade ao que foi trabalhado em sala de aula.

Desafios

Veja os obstáculos na implementação do ensino híbrido, segundo os especialistas:

– Para que o professor possa integrar tecnologias na forma de ensinar, precisa ter preparo para isso. Em geral, ele está apenas familiarizado com as ferramentas digitais, sem o domínio aprofundado delas.
– Não é correto deixar que “cada um se vire”. É preciso investir em conectividade nas salas de aula e na construção de espaços de inovação.
– Segundo dados do levantamento “TIC Domicílios 2019”, formulado pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic), aproximadamente 30% dos lares no Brasil não têm acesso à internet. E há uma diferença significativa entre as classes sociais: em famílias cuja renda é de até um salário mínimo, metade não consegue navegar na rede em casa. Na classe A, apenas 1% não tem conexão.
– O Censo Escolar 2020 mostra que, na educação infantil, a internet banda larga está presente em 85% das escolas particulares. Já na rede municipal, o percentual é de 52,7%.
– Por último, existe uma barreira cultural: o modelo de ter o professor na frente, expondo a matéria, e os alunos enfileirados, escutando, está fortemente implementado no Brasil. É preciso repensar as práticas pedagógicas.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha