Notícias

Entidade árabe repudia reportagem do Fantástico sobre mulher libanesa

2 de julho de 2014

De forma preconceituosa e cheia de estereótipos falaciosos a emissora mostra uma versão da mulher libanesa que não condiz com a realidade do país. Diante disso, a entidade questiona o teor sensacionalista adotado na matéria e pede empenho para que mais atores envolvidos no processo [na ocasião as mulheres libanesas] sejam ouvidos de forma neutra.

Confira a nota na íntegra:

“A Fearab América deseja manifestar seu repúdio em relação à matéria sensacionalista exibida pelo programa Fantástico, no dia 29 de junho de 2014, intitulada “Mulheres são vistas como propriedades dos homens no Líbano”. A Rede Globo não ofereceu ao espectador um panorama real sobre uma questão que merece ser tratada de forma séria e responsável, pois do contrário, jamais será combatida em sua origem.

A emissora pareceu optar pela via da informação fora de contexto ou da desinformação para falar sobre um assunto grave e que merece atenção em todos os países do mundo.

A violência contra a mulher não deve ser associada a um país, tampouco a uma religião. Relatórios da ONU mostram que 35% das mulheres do mundo todo sofreram algum tipo de violência física e/ou sexual provocada por seus parceiros ou não-parceiros. Ademais, na Austrália, Canadá, Israel, África do Sul e Estados Unidos, a violência provocada por parceiros íntimos é a causa da morte de 40 a 70% das mulheres vítimas de assassinato.

É imperativo enfrentar este problema, que adquire contornos dramáticos em todo o mundo. Mas é nosso dever alertar para o fato de que, dependendo de como a informação é veiculada, ela distorce completamente os fatos, e contribui sobremaneira para criar preconceito, estereótipos e representações sociais negativas de um país inteiro, por exemplo.

Solicitamos que a emissora repense o teor sensacionalista adotado em suas matérias e sugerimos que, ao tratar de assuntos que possam aumentar ainda mais a construção de estereótipos, se empenhe em dar espaço para que os atores envolvidos no processo possam ser ouvidos de forma neutra e imparcial.

Fonte: Portal Vermelho

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha