Notícias

Entidades sindicais publicam manifesto pela reconstrução do país

13 de outubro de 2022

Entidades sindicais que representam os trabalhadores da educação privada, entre elas o Sinpro Minas, publicaram um manifesto em defesa da reconstrução do país e de várias áreas que sofreram ataques do governo federal nos últimos anos, como educação, saúde, previdência social e moradia.

Confira abaixo a nota.

MANIFESTO PELA RECONSTRUÇÃO DO PAÍS

Defesa é pela reconstrução de tudo o que foi destruído no campo das liberdades democráticas, da educação, da saúde, do trabalho, da previdência social, da alimentação, da moradia, impiedosamente dilacerados pelo governo atual

 O Brasil se reunirá em mutirão nacional, no dia 30 de outubro de 2022, para decidir qual será seu destino a partir do dia 1º de janeiro de 2023. No fim deste mês, 156,4 milhões de eleitores/as vão decidir, por meio do voto direto e secreto, que País querem, pelos próximos 4 anos, com repercussão direta em muitos outros que os sucederem.

Essa escolha se dará entre dois projetos diametralmente opostos, absolutamente incompatíveis e inconciliáveis, não havendo entre eles semelhança alguma. O primeiro tem como objetivo o aprofundamento extremo do caos político, social, educacional, cultural, ético e moral, em curso desde o dia 1º de janeiro de 2019.

O governo atual, que busca sua reeleição, tem como marca maior de sua gestão não o  que fez pela democracia e pela melhora das condições de vida do povo, mas, sim, o que fez, faz e pretende fazer contra eles. Suas principais realizações são: o desprezo e o deboche por quem perdeu entes queridos para a covid-19 por absoluto descaso, nada menos que 6,9 centenas de milhares de brasileiros/as; o reingresso do Brasil no mapa da fome, do qual o País saíra em 2014, registrando-se, hoje, mais de 33 milhões de famintos/as e 125 milhões sem condições de garantir o sustento diário; a substituição de livros por armas e a paz por ódio e intolerância, tratando o diferente como inimigo a ser perseguido e abatido; o patrocínio da escola “sem partido” — na verdade, de partido único —, que não admite o livre direito de aprender e ensinar nem o pluralismo de ideias e concepções pedagógicas; os cotidianos atentados contra as instituições democráticas, dia e noite, com declarado propósito de trazer de volta os horrores da ditadura militar.

Governo que fez aprovar nada menos que 26 emendas constitucionais, das quais apenas a 107 (adiamento das eleições de 2020), a 108 (transformação do Fundeb em permanente) e a 124 (que cria piso salarial para enfermeiros e técnicos) não têm por objetivo a redução de direitos e garantias. Além disso, aprovou 669 leis ordinárias, não havendo dentre elas, uma sequer que não vise à redução e/ou supressão de direitos, e baixou 269 medidas provisórias, todas com iguais vis objetivos.

Governo que disse e repete que não veio para construir nada, estando aqui — e querendo continuar — para destruir; só lhe faltou dizer que seu alvo principal de destruição é o Brasil.

O segundo projeto de Brasil congrega as múltiplas forças políticas que defendem o Estado Democrático de Direito, tão odiado pelo outro projeto, com uma só finalidade, que é a reconstrução de tudo o que foi destruído no campo das liberdades democráticas, da educação, da saúde, do trabalho, da previdência social, da alimentação, da moradia, impiedosamente dilacerados pelo governo atual.

Em síntese, pode-se dizer que a escolha do dia 30 de outubro corrente será entre um Brasil que marcha velozmente para as trevas e o abismo e o que aponta para a esperança de dias melhores, de bem-estar social e de reconciliação com a paz, com a tolerância, com o respeito à diversidade e à pluralidade. Não há meio termo nem neutralidade.

As entidades que assinam esse chamamento, fiel ao seu dever constitucional de defender os direitos e os interesses de professores/as e administrativos/as/, a quem a ordem democrática é essencial e imprescindível, indicam voto no segundo projeto, com a convicção de que a maioria absoluta dos/as eleitores/as também o façam, para que haja amanhã e não só ontem, como indica o outro projeto.

 Contee — Sinpro ABC — Sinpro Campinas e Região — Sinpro-JF — Sinpro Minas — Sinpro-Rio — Fesaaemg

 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha