Notícias

Especialistas reafirmam papel do Estado na economia

14 de janeiro de 2009

Nos debates do Programa Avançado Latino-Americano para o Repensamento do Macro-desenvolvimento Econômico (Laporde, na sigla em inglês), que acontece até sexta (16/01), em São Paulo, pelos menos uma opinião é geral. Todos os professores, economistas e representantes de órgão internacionais que já expuseram suas idéias no evento têm um pensamento em comum: o Estado tem papel fundamental para o bom funcionamento da economia. O evento, que começou na segunda (12/01), faz parte do calendário oficial da Universidade de Cambridge e está sendo realizado na sede da FGV em São Paulo. Nele, economistas de várias partes do mundo debaterão a crise global e seus efeitos, principalmente sobre países em desenvolvimento.O economista sul-coreano Ha-Joon Chang, da Universidade de Cambridge; o secretário-assistente da Organização das Nações Unidas (ONU), Jomo Kwame Sundaram; e o professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) Paulo Gala são alguns exemplos de especialistas que deixaram claro que os modelos econômicos neoliberais estão ultrapassados. Para eles, só a participação forte dos governos na economia pode garantir a sustentabilidade do mercado e os avanços sociais das nações.“As reformas neoliberais promovidas na América Latina e África nos anos 90 não acarretaram em crescimento econômico”, disse Paulo Gala, ressaltando a ineficácia do neoliberalismo nos países emergentes. “Até nos Estados Unidos e na União Européia, o excesso de liberdade acabou sendo danoso à economia. Veja só a crise”, afirmou. De acordo com o professor da FGV, o próprio Estados Unidos, berço do modelo, já deram sinais de rendição. Os anúncios de pacotes bilionários de ajuda a bancos e empresas pelo governo norte-americano são prova disso.Para o economista sul-coreano Ha-Joon Chang, o Estado é necessário até na economia mais liberal e desenvolvida do mundo, pois é ele quem vai garantir o cumprimento de contratos e regular o mercado. Em economias emergentes então, ele é essencial. É ele quem assegura o crescimento. “O Estado vem antes de tudo. Vem antes da economia”, disse.De acordo com Ha-Joon Chang, os “países ricos pregam a independência do mercado, do Banco Central, etc. Mas nenhum tinha mercado e banco central independentes quando alcançou a hegemonia”, afirmou. Na opinião de Chang, “ter um banco central independente é ter um político independente do cidadão.”Agência Brasil

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha