Notícias

Estudantes chilenos voltam às ruas exigindo educação gratuita e de qualidade

24 de agosto de 2012

Um ano depois de terem mobilizado o pais, com manifestações e ocupações de escolas e universidades, os estudantes chilenos voltaram às ruas. Nesta quinta-feira (23), eles organizaram 14 marchas na capital, Santiago, e nos municípios vizinhos, para exigir educação gratuita e de qualidade para todos.

A policia reprimiu os protestos, que não haviam sido autorizados, com jatos d’agua e gás lacrimogênio. Alguns estudantes reagiram, atirando pedras e paus. Os manifestantes são alunos do ensino médio, que pedem maior participação do governo federal na educação. Os colégios secundários dependem dos governos municipais, que não investem o suficiente por falta de recursos ou de pressão politica.

Os estudantes chilenos mobilizaram o pais no ano passado, quando ocuparam colégios e universidades e organizaram uma maratona de protestos nas ruas, atraindo a atenção da imprensa mundial. Os protestos tiveram apoio de pais, professores e de oito em cada dez chilenos e contribuíram para a queda de popularidade do presidente Sebastian Pinera que, apesar do crescimento de 5,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2011, não conseguiu a aprovação de mais de 27% dos eleitores chilenos.

No Chile, todas as universidades – mesmo as públicas – são pagas. Quem não tem recursos, recorre a empréstimos bancários para financiar os estudos e começa a carreira profissional endividado. Existem colégios de ensino médio gratuitos, mas dependem das prefeituras: os municípios menores ou mais pobres normalmente não têm recursos suficientes para investir em educação. O governo subsidia algumas escolas privadas, para torná-las mais acessíveis, mas não controla como os proprietários dos estabelecimentos gastam o dinheiro.

Em 2011, o movimento estudantil conseguiu algumas vitorias, como créditos mais baratos para financiar os estudos universitários, mas muitos perderam o ano letivo em função dos protestos e terão que pagar mais um ano de estudos. Já os secundaristas acham que, apesar dos protestos, nada melhorou, por isso voltaram às ruas. Para o dia 28 foi convocada uma paralisação nacional.

Fonte: Agência Brasil

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha