Notícias

Estudantes evitam polêmicas na Redação do Enem por medo de perder pontos

4 de novembro de 2019

Candidatos preferiram fugir de questões políticas na elaboração da dissertação; tema foi democratização do acesso ao cinema no Brasil

RIO – Estudantes do Rio de Janeiro que fizeram a primeira das duas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) disseram ao Estado que tomaram cuidado para não emitir opiniões polêmicas na Redação. O tema foi a democratização do acesso ao cinema no Brasil.

“Pensei em abordar a Lei Rouanet, mas desisti. A gente não sabe a posição política de quem corrige a prova, então é melhor não entrar em aspectos polêmicos”, afirmou Matheus Coelho, de 22 anos, que fez a prova na Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio), na Gávea (zona sul).

O estudante fez o Enem pelo quarto ano consecutivo e considerou que a prova deste domingo foi “mais direta”. “Eram perguntas mais objetivas, que não davam margem a reflexões políticas”, avaliou Coelho, cuja família é do interior de Pernambuco.

O jovem disse ter experiência pessoal sobre falta de acesso a cinema. Sua família mora em Exu-PE e para ir ao cinema precisa viajar 84 quilômetros até Juazeiro do Norte-CE.

“Então é claro que ainda falta muito para democratizar o acesso a essa arte”, avalia. “Mas tomei cuidado com a linha de pensamento na Redação, porque não quero correr o risco de perder pontos”. Coelho já cursa Enfermagem numa universidade particular e, com o resultado do Enem, pode ganhar bolsa de estudos. Para Vitória Araújo, que também fez o Enem na PUC-Rio e já havia se submetido ao exame no ano passado, a prova deste ano foi mais difícil do que a deste ano. “No ano passado teve mais militância na prova, principalmente nas questões de História”, avaliou. A estudante não gostou do tema da redação, e tomou cuidado para não expressar uma posição polêmica. “No ano passado, eu tomei posição na redação e perdi pontos por isso. Eu tomei um lado, e o responsável pela correção considerou que não era um texto dissertativo-argumentativo. Hoje (domingo) tomei mais cuidado”, afirmou. “Mas acho que mesmo assim minha redação foi bem fraca.”

Segundo Vitória, os professores apostavam em outros temas, e a democratização do acesso ao cinema não estava em alta. “Os textos de apoio deram apenas dados básicos, que não serviram para nada”, avaliou a estudante, que pretende cursar Letras.

O estudante Matheus Gonçalves, de 22 anos, fez o Enem pela terceira vez e também tomou cuidado para não expor sua opinião quanto a temas polêmicos. “Fiz um rascunho da redação, mas parei para analisar e achei que estava caindo muito para questões políticas, que são polêmicas. Então reescrevi, porque não quero correr o risco de perder pontos”, afirmou.

Para Gonçalves, os textos de apoio praticamente só retratavam dados positivos sobre o acesso ao cinema. “Eu não acho que as coisas estejam boas assim como esses textos levavam a concluir, mas também não poderia fazer uma redação só com críticas. Então tentei sugerir soluções também”, afirmou o estudante. Ele pretende cursar Jornalismo ou Publicidade.

Fonte: Estadão

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha