Notícias

Estudo revela como justiça e cultura são percebidas

19 de novembro de 2010

O Ipea lançou nesta quarta-feira, dia 17, o Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS). As duas primeiras pesquisas apresentadas abordaram a percepção da população sobre os temas “cultura” e “justiça”.

O presidente do Instituto, Marcio Pochmann, deu inicio à apresentação destacando a importância do SIPS como um instrumento novo que, além de dar voz para a população se manifestar sobre as políticas públicas adotadas no Brasil, é uma importante ferramenta para os gestores públicos.

O técnico de planejamento e pesquisa do Ipea Fábio de Sá e Silva apresentou o SIPS sobre justiça. Ele considera que a avaliação crítica da justiça, atingindo nota 4,55 em uma escala de zero a dez, mostra que órgãos como o Ministério Público, a Polícia Judiciária e a Defensoria Pública realmente têm uma avaliação ruim da população.

O técnico afirmou que a avaliação é generalizada – considerando renda, escolaridade, raça/etnia, sexo e idade – e a nota abaixo da média revela que “a Justiça precisa melhorar muito ainda”.

Corrupção, com nota 0,17; rapidez na decisão dos casos, com 1,18; e imparcialidade (nota 1,18) foram os quesitos mais mal avaliados, considerando uma escala de zero a quatro. Já a capacidade de produzir decisões que ajudem a resolver os casos ficou com 1,60. Segundo Fábio de Sá, os números apontam que “rapidez é o que as pessoas esperam”.

Em seguida, o técnico de planejamento e pesquisa Frederico Barbosa apresentou o SIPS sobre cultura. Ele destacou que, apesar de esse não ser o ponto da pesquisa, pode-se afirmar que “em uma sociedade que convive com um grau de exclusão social, há problemas com políticas de incentivo e acesso a cultura”. “Quando a gente fala de desenvolvimento, tem de considerar cultura”, destacou.

Os dados foram levantados levando-se em conta a percepção quanto à localização dos espaços para práticas culturais. Segundo Frederico Barbosa, o planejamento das cidades não leva em conta a cultura, já que, no geral, 51% dos entrevistados consideram os equipamentos culturais mal situados, e 59% consideram o comércio muito bem situado.

A grande maioria, 71% dos consultados, afirmou que os preços altos são obstáculo ao acesso à oferta cultural, e 25% discordam e acreditam que os preços não são um problema. Segundo o técnico, outro desafio apontado é a questão da barreira social: 56% dos entrevistados concordam que existe uma barreira no acesso à cultura.

MetodologiaA pesquisa é feita presencialmente, com visitas aos domicílios. Para a elaboração do novo indicador, foram ouvidos 2.770 brasileiros em todos os estados do País. A técnica usada é a de amostragem por cotas, que garante representatividade e operacionalidade e mantém a variabilidade da amostra igual à da população nos quesitos escolhidos. A margem máxima de erro por região é de 5% e o grau de confiança é de 95%.Leia a íntegra do SIPS sobre justiça

Veja a apresentação SIPS sobre a justiça

Leia a íntegra do SIPS sobre cultura

Veja a apresentação SIPS sobre a culturaFonte: IPEA

 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha