Notícias

Extra-Classe aborda a luta pela terra e o Massacre de Felisburgo

19 de abril de 2013

O programa Extra-Classe deste domingo, 21 de abril, vai abordar a realidade da violência no campo e os desafios da luta pela terra no Brasil. Um dos conflitos ocorridos em Minas foi o Massacre de Felisburgo, cujo julgamento foi adiado para 15 de maio, em Belo Horizonte. Após oito anos, ninguém foi punido pelo assassinato dos cinco trabalhadores rurais e pelos ferimentos a bala de outras 12 pessoas. Para falar sobre o assunto, a entrevistada de estúdio é Delze Lauriano, advogada e professora de Direito Agrário e Constitucional. A reportagem escutou lideranças do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e o Procurador do Ministério Público Federal, Dr. Afonso Henrique de Miranda Teixeira, que acompanha o caso. Esse debate acontece no mês em que o MST promove a Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária, com mobilizações em todo o país.Não perca! O Extra-Classe é exibido todos os domingos, às 8h25, na Band Minas. Violência no campoA concentração de terras no Brasil tem sido responsável por inúmeros conflitos e mortes em áreas rurais nos últimos anos. A publicação Conflitos no Campo, editada pela Comissão Pastoral da Terra, apontou o crescimento avassalador do número de pessoas ameaçadas de morte: de 125 pessoas, em 2010, para 347 pessoas em 2011. Um aumento de 177,6%! Já o relatório 2012, a ser lançado no dia 22 de abril, registra 36 assassinatos em conflitos pela terra no último ano. Um número 24% maior que em 2011, quando foram assassinadas 29 pessoas. O ano de 2013 começou com mais violência. Somente até a primeira quinzena de abril, 9 pessoas foram assassinadas em conflitos no campo. ImpunidadeNo dia 20 de novembro de 2012, o Massacre de Felisburgo completou oito anos. Até agora, ninguém foi punido pelo assassinato dos cinco trabalhadores rurais e pelos ferimentos a bala de outras 12 pessoas. Nenhuma das famílias das vítimas foi indenizada e o decreto referente à desapropriação da fazenda Nova Alegria, assinado pelo então presidente Lula, em 2009, ainda não foi cumprido. A área não cumpre a sua função social diante dos crimes ambientais já verificados. O MST faz uma campanha para pressionar pela punição do latifundiário e mandante do crime, Adriano Chafik, e seus pistoleiros. As mobilizações também exigem a desapropriação da área da fazenda Nova Alegria para fins de Reforma Agrária e indenização das famílias vítimas da chacina. O Movimento anunciou que fará uma jornada de lutas no estado de Minas Gerais a partir do dia 15, contra a violência do latifúndio, contra os despejos dos trabalhadores acampados e em defesa da Reforma Agrária.NOTA Movimentos dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Sem Terra Tombaram cinco Sem-Terra… Mas nós seguimos firmes em frente A Justiça Tarda, e se depender do MST não vai falhar O MST depois de mais de 8  anos  de  impunidade  diante  do massacre  de  Felisburgo,  vem  a  público  anunciar  que  oficialmente  foi marcado  o  julgamento  do  assassino ,mandante  e réu  confesso  Adriano Chafick.  O julgamento vai acontecer a partir do dia 15 de maio de 2013, em Belo Horizonte a contra gosto do réu que esperava o júri na comarca de Jequitinhonha onde tem  maior poder econômico e político.Ninguém mais do que nós trabalhadores  aprendemos o quanto foi e continua sendo sofrida a espera por justiça, pois sabemos que para além de exigirmos justiça pelo brutal e covarde crime que Adriano e seus pistoleiros cometeram, mantê-los soltos significa diretamente uma constante ameaça as nossas vidas, pois esses já provaram que são capazes de promover o inferno  na Terra.  Assim como se ficarem em liberdade o Latifúndio recebe uma carta branca do Estado Brasileiro para continuar como maquina de morte.Ao longo do último período, fizemos juntamente com o Comitê Justiça para Felisburgo – espaço composto por vários setores da sociedade, diversas movimentações no sentido de acumular forças para fazer uma condenação popular desses assassinos. Denunciamos e recolocamos a nossa pauta no centro do debate em Minas Gerais, agora é chegada a hora de colocarmos em prática nossa determinação e nos organizar para virmos todos e todas para BH nos dias do julgamento e fazer uma grande mobilização popular, trazendo a mística da indignação presente e que ela nos aponte os caminhos da Justiça para Felisburgo, da Justiça Social e da Soberania Popular.A HISTÓRIA SE REPETE, COM TAMANHA INSISTÊNCIA,CHACINA E VIOLÊNCIAÀ JUSTIÇA JULGAR COMPETE.O MANDANTE QUE A COMETE.FRIA E COVARDEMENTE,UM TIPO QUE NÃO É GENTEMAIS PARECE A BESTA-FERATOMBARAM CINCO SEM TERRA,MAS NÓS SEGUIMOS EM FRENTE!

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha