Notícias

Falta um Bloco na Rua

26 de fevereiro de 2009

”Se você fosse sincera

Ô ô ô ô Aurora

Veja só que bom que era

Ô ô ô ô Aurora.”

 

 

 

Nos últimos dias o Brasil foi tomado pela mais popular festa do nosso povo. O rei momo vindo da mitologia grega, assumiu o comando dos súditos tupiniquins, incorporou à sua corte rainhas, princesas e milhões de foliões ávidos pela folia. Ele é o filho do sono e da noite, foi expulso do Olímpo, pois tinha como diversão ridicularizar as outras divindades. Momo é o rei do delírio e das fantasias. Entre seus súditos mais famosos está Arlequim, Colombina e Pierrô, saídos do século treze das ruelas de Paris, para o mundo. O Brasil deixa-se embrenhar pela fantasia, pelos ritmos do samba, do axé, do frevo, da marumba, dos tambores crioulos e de uma infinidade de ritmos e sons. São quatro dias de cachaça e de folia.

 

 

  

Passaram-se quatro dias, é hora de guardar as fantasias, deixar o rei Momo e sua corte nas lembranças de confetes e serpentinas. É hora de afastar os sonhos e devaneios amorosos de Arlequim e Colombina. É hora de reviver a dura realidade de um povo e de um país, que nos quatro últimos meses vêem seus empregos e sonhos se desfazerem como a alegria se desfaz na quarta feira de cinzas. A lembrança ainda persiste em ocupar a imaginação, aquele olhar, aquele encontro, aquele beijo, aquele abraço, aquela fantasia, aquele sorriso, aquele suspiro, aquele desejo, aquele gozo, aquele carnaval.

 

  

 

Mas pensando bem a vida é um carnaval. Fantasiamos e sonhamos todos os dias, por um país justo, igualitário, desenvolvido e soberano. Um país com reforma urbana, reforma agrária, educação pública de qualidade, saúde pública universal, emprego, segurança pública e social. Um país onde seus filhos tenham um futuro grandioso, onde seus jovens não sejam caçados nas periferias pelo tráfico. Um país que respeite seus trabalhadores e trabalhadoras, pela labuta do dia-a-dia e pelos compromissos históricos que sempre tiveram na construção da nação brasileira. Um país que respeite seus idosos, com cuidados que necessitam, previdência justa e universal. Um país que respeite seu povo acima de tudo e de todos, ao contrário do Rei Momo que ridiculariza a tudo e a todos para sobreviver na zombaria.

 

 

 

É com esse espírito carnavalesco que devemos no próximo período transformar este país num grande bloco político social. Construir a unidade em um país ainda dividido e fragmentado. Construir um bloco capaz de colocar milhões na rua em busca de um projeto político que mude radicalmente as estruturas econômicas e sociais adensadas pelo neoliberalismo. Precisamos pintar nossas fantasias, desenrolar nossas bandeiras, reforçar o grito dos pulmões, vestir nossas utopias, despertar os nossos sonhos e dar força e juventude aos nossos ideais. Precisamos urgentemente fazer frente aos blocos que já estão nas ruas de todas as cidades do Brasil.

 

 

  

O Bloco da crise – Depois de vinte anos soltos pelas ruas do planeta, zombando com o fim da história, vendendo uma vitória inacabada do capitalismo sobre socialismo. Depois de afirmarem que o neoliberalismo e o consenso de Washington resgatariam a paz e a igualdade entre os países e os povos. Depois de conclamarem os trabalhadores ao sacrifício, pois no futuro teríamos dias melhores com empregos e salários. O neoliberalismo fracassou como prevíamos. O que sobrou são Estados servis aos grandes banqueiros, as grandes indústrias, aos grandes latifundiários. O que vemos são trilhões de dólares saindo todos dias de Bancos Centrais de todo o mundo para salvar um capitalismo selvagem e cruel, um capitalismo bárbaro, sem futuro, um capitalismo falido pelas suas próprias leis.

 

 

 O bloco dos desempregados – Nos últimos meses, todos os dias, em todos os países e continentes, constatamos atônitos, notícias em cima de notícias, anunciando novas demissões, o aumento continuo e diário do exercito dos desempregados. Na outra face da noticia são governos injetando diretamente nas empresas e bancos trilhões de dólares e as empresas, sem compromisso algum, passando o facão em milhares de empregos. No Brasil as empresas que mais lucraram nesta fase de crescimento internacional e nacional, foram as primeiras a passar o facão na cabeça dos trabalhadores. As exportadoras de commodites, setor automobilístico, setor agroindustrial, setor aeroespacial, são as campeãs em demissões. Não existe nenhuma justificativa que demonstre a necessidade destes setores em praticar de maneira selvagem suas políticas de ajustes para somente atender aos interesses de seus acionistas, em detrimento do país e dos trabalhadores.

 

 

 O Bloco dos tucanos e Demos – Esta é a verdadeira turma do funil, todo mundo bebe mais ninguém dorme no ponto. Esses agrupamentos políticos foram os mentores diretos por colocar o país nesta rota do liberalismo irresponsável e selvagem. Foi esta turma que entregou todo o patrimônio público de mão beijada aos mercenários daqui e de fora. Foi esta turma do funil que abriu a economia brasileira e quebrou o país cinco vezes. Foi esta turma que desenvolveu a maior precarização nas relações de trabalho. Foi esta turma que praticou a maior ofensiva contra a previdência pública e os aposentados do país. Foi esta turma que bebeu na fonte da dívida pública bilhões de reais e não dormiu no ponto transformando Ministros de Estados e Presidentes de Banco Central do FHC em novos milionários. Estão de volta agora para dizer que o país precisa é de responsabilidade administrativa e reforma estruturais, o mesmo de sempre, porem com nova fantasia.

 

 

 O Bloco da mídia – Estes sim são responsáveis pelos sons e imagens, que definem o ritmo das baterias, fundamentalmente contra os trabalhadores. São os responsáveis pela alegoria, sempre colocando os carros na frente do boi, transformando fatos jornalísticos em fatos políticos, para atacar, desmoralizar e pressionar as atuais forças políticas que governam o país. São responsáveis em passar o chapéu nas principais empresas e bancos do país, as mesmas que lucraram e continuam lucrando, mesmo com a situação latente. Fazem maravilhas pela telinha, colorem páginas das principais edições jornalísticas, produzem comerciais fantásticos envoltos de plumas e paetês. Estes senhores, que representam no máximo nove famílias possibilitam um carnaval de intrigas, de manobras, de mentiras, tudo para proteger a mais alta corte do liberalismo nacional. Para garantir seus lucros e seus interesses intocáveis.

 

  

Falta um bloco na rua – Nesse carnaval de crise, de hipocrisia e de mentiras precisamos organizar o nosso bloco. A ala dos trabalhadores que desfile com axé, pelo emprego, pelo salário, pelos direitos trabalhistas. A ala das mulheres, que exija respeito às diferenças nas batidas dos tambores do gênero humano, salários iguais por trabalho igual, que deixe de rebolar frente à tripla jornada e exija políticas públicas que garanta uma vida mais justa e solidária. A ala dos idosos que na sabedoria organizem as marchinhas para dar ritmo a uma nova ordem social e uma nova ordem previdenciária, onde os aposentados sejam respeitados pelo que construíram ao longo da sua jornada. A ala dos jovens, que transforme sua energia juvenil em energia de frevo, que remoce todos para o espírito da luta e da rebeldia, que resgate os milhões sem futuro e esperança. A ala dos sem terras que haverá de transformar a aquarela brasileira, que caminha do norte para o sul em imensos latifúndios, em um samba, com milhares de propriedades que acolha uma imensidão de homens e mulheres para sambar, sonhar e viver na terra. Que venha a ala dos cristãos, dos comunistas, dos socialistas, dos reformistas, dos nacionalistas, dos trotskistas, dos sindicalistas, de todas as tribos, de todas as fantasias e utopias. Que ao final este bloco transforme a avenida Brasil em um único enredo, com muitos ritmos para que todos tenham condições de apresentar de maneira mais sincera o desejo de construir um novo tempo, uma nova utopia um novo carnaval.

 

 

 

 

 

*Gilson Reis, Presidente do Sinpro Minas e da CTB Minas.

 

 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha