Notícias

FumecProfessores da FEA mantêm paralisação

10 de setembro de 2010

Em assembleia nessa quinta-feira (9/9), professores da Faculdade de Arquitetura e Engenharia (FEA) da Universidade Fumec decidiram manter a paralisação das atividades, iniciada na quarta-feira. Nova assembleia será realizada nesta segunda-feira (13/9), às 19h, no auditório da instituição de ensino, para deliberar sobre o rumo do movimento. 

Os docentes exigem a reintegração dos professores Eduardo Mesquita, vice-presidente da Fumec, e Luiz de Lacerda Júnior, diretor-geral da FEA, que foram afastados dos cargos pelo Conselho de Curadores da Universidade. Eles também reivindicam a autonomia para administrar os recursos financeiros da Faculdade.

Em comunicado, o presidente da instituição de ensino, Air Rabelo, informa que o Conselho decidiu afastar Lacerda e Mesquita dos respectivos cargos, além de “cassar, temporariamente, os poderes outorgados aos diretores das faculdades, em especial os para admitir, demitir, contratar serviços e assinar contratos, até que se cumpram as medidas administrativas que estão em curso”.

Sem citar nomes, o comunicado também acusa professores e membros da direção da FEA de serem responsáveis por atitudes que estariam gerando instabilidade no ambiente acadêmico. 

Na assembleia dessa quarta (foto), que contou com a presença de centenas de estudantes, os professores disseram que as decisões são arbitrárias e ferem a autonomia universitária. “Estamos vivendo um momento de completa arbitrariedade. Essa assembleia é um ato contra a tirania instaurada pelo Conselho. Não aceitaremos tamanha truculência”, disse um docente, durante a assembleia.

Professores e estudantes afirmaram que os afastamentos são uma retaliação pelo fato de diretores da FEA terem feito denúncias de irregularidades na Universidade. Em nota, o movimento Salve a Fumec (www.salveafumec.com.br) – composto por funcionários, docentes e alunos – critica a criação, pelo Conselho, das comissões de sindicância para apurar as ações dos diretores das faculdades e defende a instituição de uma auditoria externa independente.

Segundo o movimento, o objetivo dessas comissões é “tentar minimizar junto ao Ministério Público e à comunidade acadêmica o peso das denúncias sistemáticas feitas por representantes da FEA no Conselho de Curadores e no Conselho Fiscal de irregularidades na Fumec”. 

Nas assembleias da categoria, o Sinpro Minas tem defendido a democracia na Universidade e a participação de toda a comunidade acadêmica nas decisões que envolvem a instituição de ensino. Para o sindicato, todos os atos administrativos devem ter como norte a transparência, a qualidade do ensino, o respeito aos direitos dos docentes e a manutenção do ambiente acadêmico saudável.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha